Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 18 de outubro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 17/10/2019
Villa Europa
CENTRO ONCOLÓGICO
CENTERPLEX 11/10 A 18/10
COLEGIO CETES 15/10 A 15/01/20
Secom Segurança - NOVO BANNER
COLUNA

Lorena Burger

Advogada

Violência contra as mulheres

15 OUT 2018 - 23h59
Difícil entender porque numa sociedade civilizada e evoluída ainda ocorra tantos crimes contra a mulher, por motivos que todos entendemos como banais.
Não há explicação para o aumento nas estatísticas, mesmo com o atual rigor imposto às leis que regem o crime de feminicídio.
É uma violência praticada contra as mulheres desde tempos bastante remotos e, que na maioria das vezes tem respaldo na desculpa da existência de muito amor. 
Não é um crime novo, pelo contrário, recebeu uma denominação nova para que seja diferenciado no tratamento das suas penalidades, agora mais rígidas e severas, mesmo assim não está impedindo que continue acontecendo com muita frequência e com requinte de crueldade cada vez mais aperfeiçoado.
Normalmente começa com o relacionamento de duas pessoas, envolvido em muito amor e, que por excesso de ciúme, acaba desgastando a relação, que poderia ser feliz e tranquila, entretanto, acaba tornando a vida da mulher um tormento, onde as acusações são seguidas de violência exacerbada, com tapas, socos, pontapés que por vezes tem a alegação que só acontecem por conta do envolvimento com drogas ou com bebidas, mas, isso é só uma desculpa, pois, elas ocorrem mesmo na sobriedade e, infelizmente a maioria das mulheres se calam e sofrem em silêncio, acreditando que o amor vai vencer e que não devem punir o homem que amam.
Algumas tomadas por uma coragem inesperada e desconhecida separam-se de seus algozes e tentam iniciar uma nova vida, na maioria das vezes sozinhas, pelo temor de passarem pela mesma situação novamente, mas quase sempre acabam perdendo suas vidas violentamente e na frente de parentes que não conseguem acreditar na possibilidade dessa violência que se escuda no amor.
Amor que se existiu já findou e que no momento da agressão é só possessão, porque sua motivação é sempre a posse que o agressor acredita que tem sobre a companheira, o domínio de vida e morte, como se fosse seu amo e senhor, o que jamais deveria acontecer afinal amor é companheirismo, é união, entendimento, parceria, onde ambos congregam os mesmos interesses e somente desejam o bem um para o outro.
Mesmo com o endurecimento das penas aplicadas a esses crimes, as estatísticas vêm aumentando ano a ano, atingindo mulheres de todas as camadas sociais, causando vítimas entre as com mais ou menos poder aquisitivo, com mais ou menos estudo e cultura e tendo algozes com diplomas de carreiras variadas, portanto, não atinge somente pessoas sem instrução ou conhecimento.
Tem em seu histórico a crescente violência, que começa com discussões acaloradas, que envolvem tapas, murros e pontapés e na maioria dos casos tem findado com a morte de maneira agressiva de quase todas as vítimas, safando-se somente aquelas que buscam a proteção familiar ou policial.
Atualmente a vítima tem amparo social, psicológico até financeiro e conta com abrigos que a recebe quando não tem nenhum lugar seguro para ficar a, lei Maria da Penha veio para ajudar as vítimas da violência, apesar de não estar coibindo esse crime, que destrói famílias e é normalmente praticado pelo companheiro ou pelo ex...
EPAMINONDAS ADVOGADOS
BANNER APS DESKTOP
Mirante dos Pássaros 14/10 a 15/11

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias