Envie seu vídeo(11) 4745-6900
terça 16 de agosto de 2022

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 16/08/2022
SESC AGOSTO 2022
COLUNA

Suami Paula de Azevedo

É escritor, responsável pela Mirambava Editora, palestrante e professor universitário. E-mail: suamiazevedo@uol.com.br

Repensando Liderança

15 JAN 2022 - 05h00

Estava lá eu pensando em atividades sociais e tive de olhar em volta. Fui funcionário de algumas empresas e consegui, ainda jovem assumir chefias. Tive a felicidade de montar uma pequena empresa, uma editora, por uns bons anos. Foi um sucesso, trazendo satisfação. E numa empresa o que temos mais é negociação. Não adiante tentar se impor que acaba limitando o seu fazer. Tive também a satisfação de exercer cargos públicos aprendendo bastante. 
E pude repassar para muitos algumas orientações. Entre elas a questão da Liderança, tão falada, mas pouco seguida.
Liderança não pode ser confundida com chefia. Uma posição de chefia não implica em liderança. Um líder tem seguidores enquanto um chefe tem subordinados. Ainda que possa um chefe ser identificado como líder. Mas um manipulador, sem ética, sem princípios, sem propósitos corretos, pode levar alguns a pensarem ser ele um líder.
Outro elemento importante em relação à Liderança é que a existência dela impõe o reconhecimento de Equipe. Isso significa respeito mútuo, propósitos comuns, necessariamente éticos. Por isso, um grupo de manipulados, subordinados, jamais será uma Equipe.
Daniel Domeneghetti, Executivo da DOM Strategy Partners, que ouviu 93 Executivos no Brasil, reconheceu que: “o novo líder está condicionado a uma missão associada a contornos e resultados mais claros e específicos, mas que tem a consciência de que precisa estar com a equipe correta, qualificada, envolvida de forma eficaz, permeada pelos valores exatos e com características de comportamento e atitude cada vez mais alinhadas à cultura corporativa da empresa”.
Domeneghetti, seguindo conceito chamado “Job To Be Done”, estabelecido por Clayton Christensen, especialista americano em inovação de empresas, concluiu que: “o novo líder está condicionado a uma missão associada a contornos e resultados mais claros e específicos, mas que tem a consciência de que precisa estar com a equipe correta, qualificada, envolvida de forma eficaz, permeada pelos valores exatos e com características de comportamento e atitude cada vez mais alinhadas à cultura corporativa da empresa”.
Observe-se que a ideia de “empresa” aqui pode ser identificada como “organização”. Essa explicação se faz importante para entendermos que ao tratarmos de Liderança e Equipe podemos tratar tanto de uma empresa privada como de um órgão público.
A boa gestão, a postura de bem administrar uma organização, implica em buscar reconhecer o potencial de formação da equipe e das lideranças. Sem isso existe apenas chefia e subordinados ou manipulação. Vale refletir sobre isso.
Se puderem deem uma olhada nas ideias de Domeneghetti e nas de Christensen. Eles oferecem uns princípios simples mas, que funcionam numa administração. Coisas que sempre contribuem para quem está empreendendo ou o pretende. Mas também nos ajuda a entender o mundo como está sendo comandado.
É muito importante saber o que fazem a nossa volta. E como somos afetados. Siga atuando no ano.

 

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias