Envie seu vídeo(11) 4745-6900
Logo de aniversário de 60 anos
quinta 13 de maio de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 12/05/2021
COLUNA

Suami Paula de Azevedo

É escritor, responsável pela Mirambava Editora, palestrante e professor universitário. E-mail: suamiazevedo@uol.com.br

Sem Abaixar a Crista

13 MAR 2021 - 05h00
Estava lembrando desta expressão coloquial bem antiga, que nem se usa mais, ao que me dei conta: “abaixar a crista”. Um jovem me disse que nunca tinha ouvido. Significa, para quem não sabe, “tornar-se humilde, submisso, manso, acovardado”. Talvez se prefira a maneira mais formal, não abaixar a “autoestima”.
Pode parecer equivocado falar de autoestima num momento em que os brasileiros estão se achando um dos piores povos do mundo. Mas não é uma verdade. Bem ao contrário. Devemos, especialmente agora lembrarmos de nos valorizarmos. Claro que sei, sabemos, temos exemplos muito negativos. As ruas nos exibem, esse mal que nos cerca os expõem fortemente. Porém entendo, sinto, que talvez mais ainda agora, nós que podemos, nós que percebemos a humilhante queda da qualidade geral, devemos nos colocar em posição de exibir exemplos positivos, responsáveis.
Não vamos falar do não-uso das máscaras ou do seu uso tão pernicioso. Nem das festas ditas clandestinas. Há quem ainda se pergunte por que o isolamento? Por que evitar aglomerações? Temos lideranças desatentas ao contágio conclamando a isso, não podemos fingir não entender. Ou negar tudo? O Negacionismo é uma realidade, não só no Brasil, corre pelo mundo todo. A pandemia o exibiu ostensivamente. Esse vírus espalhado é mais um mal muito forte, diante de nós. Mas se alguém também não quer ver, não vai entender, não vai se aperceber. E a Ciência vai sendo secundarizada. Vamos desaprendendo. E tantos de nós nem nos damos conta de que vamos abaixando a crista.
Podemos alterar esse quadro. A Economia está afetada? Inegável! Ainda temos de permitir o choque da Saúde com Economia? Ou podemos buscar administrar esse efeito? Em nosso País tivemos menos transtornos que em muitos da Europa. Podemos mostrar o nosso orgulho e deixar ver a nossa capacidade de alterar todo este mal que nos envolve em menos tempo. Neste momento a coisa está pesada. Os dados presentes são terríveis, mesmo em São Paulo, o estado mais rico do País. E, também, que logo poderão estar piores. Houve um excesso de contaminação, especialmente dos mais jovens. Enquanto não dispusermos de uma organização centralizada, uma coordenação, tudo será mais lento. Mas vamos saber alcançar uma forma de reduzir os danos em nossa gente. Entendemos, sim. Saberemos dominá-lo e vencê-lo.
Sem abaixar a crista!
Assim, voltando para a autoestima, tentemos vislumbrar que nisso tudo em que estamos metidos também ocorre a emoção e a razão. Já constamos que não só desejar estar com os demais, com os amigos, com os próximos, nos faz ficar irados, perder o controle, sofrer o estresse. Sabemos que o isolamento também leva a esse enorme desgaste. Muitos perdem as esperanças. O sofrimento vai se achegando e nos pega. E, claro, abaixamos a crista. Cai a autoestima, deixamos diminuir o respeito que devemos manter por nos mesmos. Vamos nos mostrando até mais frágeis ante o vírus. Não devemos.
Já dizia o Poeta, o caminho se faz ao andar. Olhemos adiante e sigamos em direção à luz. Conto com o exemplo de nós todos.
SOUZA CAFÉ
BANNER APS DESKTOP

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias