Envie seu vídeo(11) 4745-6900
quarta 22 de setembro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/09/2021
COLUNA

Sueli Barão

É evangélica, professora escreve aos domingos

A nossa mensagem para o mundo

01 AGO 2021 - 05h00

Nessa semana estava assistindo a uma entrevista no Youtube em que o entrevistado, brasileiro, que pastoreia nos Estados Unidos, em um estado que foi berço do avivamento cristão do século XX naquele país, relatava que o grande desafio de hoje por lá é que os cristãos, de fato, vivam o que pregam e dizem crer. Ele contava que muitos sabem textos bíblicos de cor, citam esses textos, quando se trata de defender suas ideias; todavia, não vivem em seu cotidiano uma vida de fé genuína e santidade. Na rua onde mora há 28 igrejas. No entanto, ele considera que o impacto dessas 28 igrejas na cidade é pequeno em face do potencial que têm, em tese. E essa realidade está presente também no Brasil. A religião não nos transforma! Só Cristo pode fazer isso! E Ele faz integralmente! Se passamos pelo novo nascimento em Cristo, a nossa vida é transformada! Isso não significa que nunca mais vamos pecar. Significa que, a partir desse novo nascimento, inicia-se uma nova vida, pautada nos princípios genuinamente cristãos, de amor a Deus e ao próximo, tal como Jesus nos ensinou. 
O apóstolo Paulo, escrevendo aos cristãos da igreja de Corinto, disse - "Vocês mesmos são a nossa carta, escrita no nosso coração, para ser conhecida e lida por todos. Sim, é claro que vocês são uma carta escrita pelo próprio Cristo e entregue por nós. Ela não foi escrita com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo; ela não está gravada em placas de pedra, mas em corações humanos". (2 Coríntios 3:2-4) Texto lindo! Hoje em dia, com as redes sociais em alta, poucos ainda escrevem cartas. A igreja de Corinto foi fundada pelo próprio Paulo, que não precisava de apresentação. Para ele, a melhor apresentação era a transformação que o evangelho de Cristo tinha feito na vida daquelas pessoas. Que grande responsabilidade Paulo estava dando aos cristãos de Corinto! Mas isso é para nós também. Qual é o conteúdo da carta (mensagem) que estamos escrevendo para o mundo? Cada cristão, através de seu testemunho, deixa na vida das pessoas uma mensagem. Nossas palavras, ações e atitudes mostram quem somos de fato. Somos como uma carta de recomendação para aqueles que não conhecem a Jesus. Quando olham para nós, têm que ver as características de Jesus. Precisam enxergar que ali estão pessoas transformadas pelo poder de Deus. O destino dessa carta, portanto, é o mundo. O que as pessoas podem ler em nós? Elas veem amor, paciência, alegria, bondade e generosidade? Ou nos veem como pessoas egoístas, ciumentas, briguentas, individualistas e invejosas? Somos cartas que levam vida, esperança, boas notícias para as pessoas, ou somos cartas tristes de serem lidas? Não somos perfeitos, é verdade! Mas que estejamos em constante aperfeiçoamento, buscando a santidade! 
Sabemos, pelos relatos bíblicos, que a igreja de Corinto deu bastante trabalho para Paulo. Eles receberam de bom grado e com alegria a graça anunciada. Mas não demorou muito para que começassem a pensar que, por terem crido em Jesus e receberem a graça da salvação, poderiam viver de qualquer maneira. A graça de Cristo não nos dá autorização para viver pecando. Por isso, Paulo escreveu aos coríntios cartas de advertência, para que pudessem viver no compasso da graça de Cristo! Agradeçamos a Deus, quando formos advertidos, orientados, seja pelo próprio Espírito Santo, pela Palavra, por um líder de fé, por alguém que nos ama de verdade! Vamos prestar atenção às advertências que estamos recebendo! Ser cristão é ser parecido com Cristo. É ser identificado com a pessoa de Cristo. Os seguidores de Jesus foram chamados de "cristãos" pela primeira vez em Antioquia (Atos 11:26), porque o comportamento deles era como o de Cristo. Será que, quando olham para nós, veem Cristo? 

PMMC REDESCUBRA MOGI
CREDSU

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias