Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 26 de março de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/03/2019
Banner solicitado

5º Salão de Artes de Mogi das Cruzes fica aberto até o dia 7 de janeiro

Salão é dividido entre as categorias acadêmico e contemporâneo

Por de Mogi03 JAN 2019 - 15h29
Estão expostas onze obras da categoria acadêmico e 17 da categoria contemporâneo, incluindo duas menções honrosasFoto: Divulgação/PMMC

A Galeria de Artes Wanda Coelho Barbieri, situada no piso térreo do Centro Cultural de Mogi das Cruzes recebe, até a próxima segunda-feira (7), o 5º Salão de Artes de Mogi das Cruzes, uma exposição de artes visuais assinadas por artistas de todo o país. Aberto desde o dia 17 de novembro, o evento busca fomentar, promover e difundir a produção artística.

O salão é dividido entre as categorias acadêmico e contemporâneo. Estão ali expostas onze obras da categoria acadêmico e 17 da categoria contemporâneo,  incluindo duas menções honrosas. Os vencedores de cada categoria - isto é, cujas obras foram selecionadas como as melhores pela comissão julgadora - foram anunciados em novembro, juntamente à cerimônia de abertura da mostra.

Pela categoria acadêmico, o primeiro lugar ficou com o artista suzanense Pedro Neves e sua obra “Xamã”, executada em 2017. O segundo lugar ficou com Paulo Tosta, da cidade de Jaboticabal (SP) e a obra “Relíquias de um Artista”, de 2018. Já o terceiro lugar ficou com a mogiana Cida Ferraris e sua pintura “Filha”, feita em óleo sobre tela.

Outros sete mogianos estão com obras expostas pela categoria acadêmico. São eles: AnaMarB, Ana Terêsa, Cida Varella, Luzia Kraus, Ju Bicalho, Olga Nóbrega e Sócrates W. Noronha. A menção honrosa da categoria ficou com a também mogiana Iza Leão e sua obra “Rio Itapanhau”, de 2017.

Já na categoria contemporâneo, o primeiro lugar ficou com a artista Cláudia Vieira, de Ribeirão Preto (SP) e sua obra “Concha II”, de 2017. O segundo colocado foi o mogiano Jorge Solyano, com a escultura “Homem de Papel”. O terceiro lugar também foi para um artista de Mogi das Cruzes - Agnelo Andrade, com uma pintura que retrata o calçadão da rua Dr. Deodato Wertheimer, no centro de Mogi das Cruzes.

Os outros artistas com obras expostas por essa categoria são: Altair Battaglia, de São Caetano do Sul; Dalton Massamitsu Sesoko, de Suzano; Davi Forte, de Mogi das Cruzes; E. W. Noronha, de Sorocaba (SP); Edval Pessoa, de Ribeirão Preto; Jonatas Teixeira, de Cajamar; Júlia de Miranda Martins, de Mogi das Cruzes; Leandro Nunes, de São Paulo; Luiza Yoko, de Biritiba Mirim; Samantha Brambilla, de Atibaia e os mogianos Matheus Dias, Maurício Chaer e Patricia Alves. A menção honrosa ficou com a artista Tatiana Cipoli, de São Paulo.

A comissão julgadora do 5º Salão de Artes de Mogi das Cruzes foi composta pelos artistas Carla Francisco Fatio, Enio Ricardo Jorge Maciel Cintra, Lúcia Aparecida Menegatti Pinto e Maria José Ferreira.

A visitação ao Salão de Artes é gratuita e aberta a todos os interessados.    

Sobre Umberê

O patrono do Salão de Artes deste ano é Umberê Normando Pinto. A escolha do nome se deu por meio de pesquisa online, realizada pelo site da Secretaria Municipal de Cultura entre os dias 11 e 30 de abril. Foram ao todo 194 indicações para o homenageado, o que correspondeu a 69% do total dos votos.

Umberê Normando Pinto é nascido em São Paulo, mas sempre manteve uma relação muito forte com Mogi das Cruzes, considerando-a como a cidade do seu coração. Constituiu a família em território mogiano após se casar com Lúcia Menegatti.

Na arte, sempre mostrou seu interesse pela vida marinha e os meios de locomoção de antigamente, como as grandes embarcações que levavam os homens para desbravar terras e praticar o comércio.

Umberê foi artista plástico por formação e sempre atuou como professor nas escolas públicas e particulares de Mogi das Cruzes.

Dedicou-se a mostrar seu trabalho principalmente nas cidades litorâneas.

Em 2016, pode mostrar um pouco da sua arte no novo Centro Cultural de Mogi das Cruzes, quando participou da Mostra Repertório, Memória, Vivência - "A vida no mar".

Umberê faleceu no mesmo ano, deixando saudades em seus familiares, alunos e amigos.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias