Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 19 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID LAR
PMMC COVID SAÚDE

Bandidos tentam matar sargento da PM quando ele saía para o trabalho

26 FEV 2016 - 08h01

Um sargento da Polícia Militar foi baleado por criminosos ontem de madrugada, no bairro Calmon Viana, em Poá. Especula-se que o intuito fosse de assassiná-lo, pois os bandidos não revelaram que o crime trata-se de assalto. Os tiros atingiram a mão esquerda e braço direito do policial, que não corre risco de morte.

A investigação sobre a tentativa de homicídio será coordenada pelo Setor de Homicídios (SH) de Itaquaquecetuba.

O departamento que investiga crimes violentos em Poá, Ferraz e Itaquá analisa se o ataque tenha sido em represália a alguma prisão ou desafeto contra o policial.

Informações iniciais sobre o caso detalham que o sargento saía de casa para ir à 1ª Companhia do 35° Batalhão de Polícia Militar Metropolitana (BPM/M), quando viu um carro estacionando em frente a sua casa.

Repentinamente, criminosos desceram do veículo e começaram a atirar em sua direção, sendo que o sargento reagiu, atirou e conseguiu afugentá-los. O DS apurou que não há relatos de pessoas feridas por disparos de arma de fogo nos hospitais da região, o que possivelmente indica que nenhum bandido tenha sido atingido.

Policiais de Poá

Policiais Militares (PMs) de Poá souberam sobre o crime e seguiram para o local. Eles viram o sargento com um intenso sangramento e, portanto, o encaminharam às pressas ao Hospital regional de Ferraz de Vasconcelos.

A Secretaria da Saúde informou que o policial foi transferido ainda na manhã de ontem para um hospital na Capital, que cuida apenas de militares, mais precisamente o Cruz Azul.

buscas foram feitas para identificar veículo

Buscas foram feitas no município e região para tentar identificar o veículo no qual os criminosos chegaram. A polícia pede que informações sobre o paradeiro dos suspeitos sejam fornecidas por meio dos números 190 (da Polícia Militar) e 181 (Disque-denúncia).

Até o fechamento desta matéria, nenhuma pessoa havia sido detida. O caso segue sob investigação.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias