Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 15 de janeiro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 15/01/2021
CENTRO MÉDICO CLUBE DS  - OFTALMOLOGIA
MRV
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Alto Tietê

Indústrias do Alto Tietê fecham 7 mil postos de trabalho em 2015

21 JAN 2016 - 23h38

A indústria de transformação do Alto Tietê encerrou 2015 com uma retração de 10,06% no nível de emprego, o que corresponde ao fechamento de aproximadamente sete mil postos de trabalho no período entre janeiro e dezembro. O desempenho regional é pior do que o registrado na Grande São Paulo (-9,99%) e no Estado (-9,26%), como mostra a pesquisa do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), divulgada hoje. Os resultados colocam 2015 como o pior ano para a indústria regional. As demissões aumentaram 250% frente ao registrado em 2014 (duas mil), que já tinha sido um ano ruim para o setor.



Só no último mês, o nível de emprego industrial no Alto Tietê (Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis e Suzano) retraiu 1,75%, o que significou a queda de cerca de 1,1 mil postos de trabalho e a 20ª colocação no ranking das 35 regiões industriais paulistas. Em dezembro, as principais variações negativas foram registradas nos setores de Máquinas e Equipamentos (-3,30%); Produtos de Metal, exceto Máquinas e Equipamentos (-2,39%); Veículos Automotores e Autopeças (-1,88%); e Celulose, Papel e Produtos de Papel (-1,47%).



"Os dados registrados ao longo do ano, especialmente no segundo semestre, já indicavam que o resultado do ano seria esse mesmo: totalmente desfavorável para a indústria de transformação e muito ruim para o trabalhador do Alto Tietê. Entre as mais de duas mil indústrias que temos instaladas na Região, a maioria tem enfrentado sérias dificuldades para sobreviver. Escapa apenas uma ou outra que, em função do que é produzido e do mercado atendido, tem mantido suas atividades dentro de um patamar próximo da normalidade", avalia José Francisco Caseiro, diretor do Ciesp Alto Tietê. "Não se trata de um cenário apenas do Alto Tietê. O nível de emprego ficou negativo nas 35 regiões industriais do Estado em 2015", acrescenta.



O prognóstico do Ciesp para o emprego industrial em 2016 indica a ausência de um processo de recuperação e mais perdas de postos de trabalho. A projeção é de uma queda de 6% do emprego na indústria neste ano. Mesmo que a desvalorização do real frente ao dólar possa amenizar o quadro para alguns setores, a queda na demanda doméstica não contribui para uma recuperação em 2016.



"Estamos vendo aí a Usiminas, em Cubatão, iniciar a dispensa de quatro mil funcionários. É fundamental que o Governo Federal enxergue isso, principalmente o impacto social provocado por todas essas demissões, e implante, para ontem, políticas que possibilitem ao setor ao menos começar a reagir. Dentro das empresas, é necessário que todo mundo reavalie mercados, estratégias e gestão de pessoas. Mais do que isso, os empresários precisam se manter unidos para que possamos atravessar esse período", conclui Caseiro.



No acumulado do ano, os setores que registraram os piores desempenhos no nível de emprego foram os de Artefatos de Couro, Calçados e Artigos para Viagem (-37,50%); Impressão e Reprodução de Gravações (-29,03%); Metalurgia (-24,60%); e Móveis (-22,52%).



Dos 22 setores avaliados na pesquisa do Ciesp, apenas três tiveram variação positiva em 2015: Produtos Alimentícios (1,39%); Bebidas (7,24%); e Produtos de Madeira (13,12%).



Foto: Irineu Jr./ DS

 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias