Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 24 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 23/10/2020
PMMC MULTI 2020
Pmmc Sarampo Outubro
ÚNICCO POÁ
SOUZA ARAUJO
PMMC COVID VERDE

Perfil das Guardas Civis aponta 753 agentes com ‘pouco’ poder de polícia

03 JUL 2016 - 08h00

O efetivo estimado da Guarda Civil Municipal (GCM) nas cinco principais cidades do Alto Tietê é de 753 agentes. Deste total, os guardas que atuam armados trabalham em apenas dois municípios da região.

O perfil da corporação atende a diversos segmentos, como auxílio às polícias Civil e Militar, o atendimento de ocorrências de violência doméstica, prevenção a crimes ao meio ambiente, dentre outras. Eles têm pouco poder de polícia. Os dados são baseados nas informações divulgadas pelas Prefeituras e na pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o perfil de cada município brasileiro.

Todas as cidades do Alto Tietê em que a pesquisa foi fundamentada executam atividades visando à prevenção a crimes contra a mulher, capacitação em diversos setores, primeiros socorros, além do auxílio ao departamento de trânsito. Também há ações de patrulhamento com a ajuda de cães, porém, eles são realizados somente por três municípios: Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba e Suzano.

Apesar da similaridade de ações, o diferencial de cada região está no número de agentes. É o caso do maior efetivo das cinco principais cidades do Alto Tietê, a GCM de Itaquá, que conta com 255 guardas, entre homens e mulheres.

Se por um lado o efetivo é considerado um dos maiores, a cidade não dispõe que a corporação atue com armas de fogo, segundo a assessoria da Prefeitura. Entretanto, a nota explica que o armamento da guarda está em fase de liberação, que é feito pela Polícia Federal. No município, as atividades exercidas são de parceria com as polícias Civil e Militar em ações de combate a bailes funk e blitz, além de cursos de defesa pessoal, psicotécnico e tiro.

Em Mogi das Cruzes, a tropa da GCM é de 170 agentes, a segunda maior da região. O efetivo deve aumentar, já que mais 30 estão frequentando o curso de formação, de duração de seis meses. Referente ao armamento, o município não tem uma lei que permite o porte a guardas municipais, assim a intenção da Prefeitura é de que a posse de armas de fogo seja iniciada no decorrer deste ano.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias