Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 20 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
PMMC COVID LAR
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

A luta contra o terror

26 MAR 2016 - 08h00

O mundo, sobretudo a Europa, viu assustado novamente os atentados terroristas que deixaram dezenas de mortos e feridos no Aeroporto Internacional de Zaventem e na estação de metrô Maelbeek em Bruxelas, na Bélgica, na manhã de terça-feira, dia 22 de março.

O DS trouxe reportagem sobre o assunto e entrevistou um jornalista, ex-aluno de Mogi das Cruzes, que falou sobre o clima de tensão naquele País.

Logo após os atentados, o Estado Islâmico (EI) reivindicou a responsabilidade pelos atos.

As explosões levaram o país a entrar em alerta máximo para atentados terroristas.

"Uma célula secreta de soldados do califado (...) realizou um ataque contra o estado cruzado da Bélgica, que está lutando contra o Islã e seu povo", afirmou o EI, acrescentando que os agressores usavam coletes, artefatos explosivos, metralhadoras e que países que combatem os extremistas têm 'dias escuros' pela frente.

A TV belga divulgou uma foto que seria dos suspeitos do atentado no aeroporto.

Logo depois a polícia fez um alerta de que um dos três estaria foragido e pediu informações sobre ele.

Durante todo o dia, foram feitas batidas policiais na capital belga.

Em um pronunciamento à nação, o rei Philippe da Bélgica disse que ele e a rainha Mathilde compartilham a dor de todos aqueles que sofreram por causa dos ataques “covardes e cheios de ódio”.

Duas explosões ocorreram no aeroporto e uma no metrô. Pelo menos uma delas foi provocada por um homem-bomba, segundo procuradoria local.

Uma testemunha que trabalha no setor de bagagens do aeroporto disse ter ouvido um homem gritar em árabe pouco antes da explosão.

Mas este ataque mostra que a luta não é contra qualquer religião, mas sim contra o terror.

Os ataques terroristas a países da Europa têm sido constantes. A preocupação é cada vez maior.

Nesse momento é preciso uma união dos países na tentativa de acabar com esse mal.

O mundo vive com medo. Mas, é preciso buscar soluções. E isso passa pela união dos países.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias