Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 30 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 29/09/2020
Pmmc Sarampo
SOUZA ARAUJO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
ÚNICCO POÁ

Aspectos econômicos

28 JUL 2016 - 08h00

Dados da Diretoria Regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) no Alto Tietê e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram os aspectos econômicos das cidades da região.

A situação econômica continua preocupante com fechamento de postos de trabalho e falta de opções de vagas.

O Alto Tietê, por exemplo, ocupa a 22ª posição em ranking sobre a participação de 39 regiões paulistas, responsáveis por 28,4% do montante vendido pelo Brasil no mercado global no 1º semestre de 2016. Apesar da queda na remessa de produtos ao exterior, a região manteve a mesma posição registrada em 2015 no cenário estadual.

A pesquisa elaborada pelo Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas (Depecon) em conjunto com o Departamento de Relações Exteriores (Derex) do Ciesp e da Fiesp, a partir de dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), mostra que as exportações dos oito municípios que compõem o Ciesp Alto Tietê, no 1º semestre de 2016, caiu 3,4%, em relação ao mesmo período de 2015, passando de US$ 399,1 milhões para US$ 385,3 milhões.

Já a situação do emprego no Brasil tende a piorar no início de 2016, de acordo com avaliação do economista-chefe da AZ FuturaInvest, Paulo Eduardo Nogueira Gomes.

A situação no Alto Tietê não é diferente. Milhares de pessoas continuam em busca de oportunidade e ainda encontram dificuldades.

A expectativa negativa, no entanto, é de que deve haver uma redução ainda maior dos postos de trabalho no País porque podem ocorrer demissões de funcionários contratados temporariamente para o final do ano.

O desemprego está crescendo em uma velocidade alta e que as pesquisas devem mostrar um aumento do número de pessoas sem trabalho.

O fortalecimento dos sistemas de proteção social, projetos de qualificação e requalificação da força de trabalho e um esforço para melhorar a qualidade do emprego foram outros pontos incluídos na lista de recomendações.

Segundo o FMI (Fundo Monetário Internacional), a taxa média de desemprego nas economias avançadas deverá permanecer alta.

O alto desemprego deverá ser o principal desafio dessas economias, à medida que a recuperação ganha ritmo. É importante então garantir formas de abertura de postos de trabalho para alavancar a economia em todo o País.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias