Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 20 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/09/2020
PMMC COVID LAR
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE

Cheques devolvidos

05 MAR 2016 - 08h00

Os comerciantes de Suzano estão tendo grandes prejuízos como a quantidade de cheques sem fundos recebidos, conforme mostrou o DS na edição de ontem.

A reportagem mostrou que as vendas no comércio têm diminuído, por outro lado, o número de cheques devolvidos cresceu em 4,5% este ano.

Nos dois primeiros meses de 2016, o comércio suzanense recebeu 15.753 ‘cheques sem fundo’. O número é maior que o registrado nos dois primeiros meses de 2015, quando 15.077 cheques foram devolvidos. A informação foi divulgada pela Associação Comercial de Suzano (ACE). De acordo com economista, o dado é um reflexo da situação financeira da população.

Em tempos de crise, cada vez mais empresas, de Suzano, sofrem com os consumidores inadimplentes, principalmente nos setores do comércio e de serviços. Segundo a Serasa Experian, a inadimplência com cheques apresenta um patamar elevado, e é responsável por boa parte dos calotes nas empresas. De acordo com levantamentos do Sebrae, são muitos os fatores que levam os consumidores a não honrarem suas dívidas, como problemas financeiros, desemprego, descontrole dos gastos, doença ou simplesmente má fé. Mas também são muitas as formas do empresário reduzir a inadimplência e controlar os prejuízos causados pelos cheques sem fundo.

A reportagem do DS mostrou também que dos 15,7 mil cheques sem fundo, 7.053 foram recebidos pelos comerciantes no mês de janeiro e 8,7 mil no mês de fevereiro.

O aumento dos cheques devolvidos foi ainda maior se comparados apenas o mês de janeiro, que teve crescimento de 6,6%, levando em consideração que em 2015 foram 6.616 cheques sem fundo. O calote no comércio também cresceu 2,8 % em fevereiro, já que no último ano o comércio havia recebido 8.461 cheques.

Realmente os prejuízos são enormes, até porque o País vive um momento de crise.

Vender, mas não receber o preço do produto, tem sido um problema para os comerciantes que vêm reclamando da queda nas vendas.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias