Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 20 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 20/09/2020
PMMC COVID LAR
PMMC COVID SAÚDE
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Consumidor desconfiado

25 SET 2015 - 08h00

A situação do País, às voltas com ajustes ficais e financeiros na tentativa de equilibrar suas contas, reflete diretamente no bom ou mau humor do consumidor do País.

Um dado interessante divulgado mostra este cenário. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou 5,3% em setembro de 2015, informou o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

O ICC indica o planejamento do consumidor em relação a gastos e poupança futuras, constituindo indicadores relevantes na antecipação dos rumos da economia.

Segundo a coordenadora da Sondagem do Consumidor da FGV, Viviane Seda Bittencourt, a queda do ICC em setembro decorre da piora de expectativas ao longo dos últimos 12 meses: enfraquecimento da atividade econômica, com reflexo crescente no mercado de trabalho, aceleração da inflação e aumento da incerteza. Viviane acrescentou que, para mudar esse cenário, "será necessária uma sucessão de boas notícias no front econômico e da atenuação das tensões no ambiente político”.

De acordo com a sondagem, em setembro, o Índice da Situação Atual recuou 6%. A compra de bens duráveis foi o fator que mais contribuiu para a Índice de Expectativas (IE), que teve queda de 5,4%.

A sondagem feita pela FGV abrangeu 2.363 domicílios, no período de 1º a 21 de setembro. A confiante do consumidor tende a cair ainda mais à medida em que os ajustes necessários ainda estão em andamento e os rumos do País são incertos. Sem dúvida, o “freio” do consumidor em sair às compras, reduz de forma direta o “giro” da economia. As pessoas deixam de comprar, os comércios deixam de ganhar, e, com isso, a situação na economia perde força.

É bem possível que à medida em que as coisas melhorarem, o consumidor vai voltar a elevar as compras nas lojas.

O que se vê hoje é a reclamação geral de lojistas e donos de comércios sobre a queda nas vendas. É preciso, sobretudo, em um momento crítico, usar a criatividade para atrair o consumidor. Além disso, descontos e redução no preço dos produtos são outros dois aspectos que podem chamar a atenção.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias