Envie seu vídeo(11) 4745-6900
sábado 25 de setembro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/09/2021

Desafio de reativar a economia

11 AGO 2016 - 08h00

O desafio de reativar a economia é imenso. Vários setores continuam em crise, com fechamento de indústrias e demissão de funcionários.

O governo federal está em busca de projetos e alternativas para tentar garantir o reforço da economia.

Ontem, menos de dois dias após ver aprovado o penúltimo passo do processo de impeachment contra a presidente afastada, Dilma Rousseff (PT), o presidente interino Michel Temer (PMDB)decidiu que vai receber hoje empresários e trabalhadores da construção civil. Ao avaliar que o "processo de deterioração da economia brasileira" já foi "estancado", os dirigentes do setor defendem que a construção civil seja utilizada nas medidas de reativação da economia, que, segundo eles, devem ser tomadas rapidamente.

A construção civil é um setor importante, porque pode abrir novas vagas de emprego e ainda a instalação de mais indústrias.

O encontro representará o apoio da indústria da construção a Temer, a exemplo do que já ocorreu há algumas semanas, quando o presidente interino recebeu centenas de lideranças empresariais, comerciais e industriais. A expectativa de interlocutores do Planalto é que o segmento manifeste crença na política econômica do governo.

Os integrantes da indústria da construção vão manifestar apoio às agendas que têm sido propostas pela equipe econômica como limite para os gastos públicos, reforma da previdência e modernização das leis trabalhistas. De acordo com José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), as sondagens feitas pelo setor indicam que ele não está otimista, mas o pessimismo diminuiu.

Para sindicalistas, é muito claro que as expectativas já mudaram. Especialistas veem a situação do País como “um doente que está na UTI”. Porém o quadro estabilizou. Esse, talvez, seja o momento de reverter o quadro. As 98 entidades que serão representadas, como construtoras, lojistas, fabricantes de materiais de construção e o mercado imobiliário, entendem que o segmento tem uma contribuição a dar neste momento, já que geram empregos rapidamente. Temer definiu os parâmetros das obras inacabadas de pequeno porte cujo reinício serão retomadas nos próximos meses e que vão custar R$ 1,8 bilhão até 2018.

Durante o evento, os empresários pretendem também entregar uma agenda da Construção com reivindicações como melhoria do ambiente de negócios, execução de concessões e parcerias público-privadas e combate à informalidade. É um passo importante rumo à retomada do crescimento e aquecimento da economia.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias