Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 28 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo
PMMC COVID SAÚDE

Desemprego em alta

26 MAI 2016 - 08h00

Reduzir o desemprego é um dos grandes desafios dos governos municipais, estaduais e federal. Os números vêm mostrando ao longo dos meses, uma queda acentuada na abertura de postos de trabalho. A indefinição por parte da “política nacional” gerou problemas sérios para a economia. Por tabela, a geração de emprego ficou afetada.

As medições dos novos postos de trabalho abertos mostram ainda um certo desânimo por parte dos empresários. O investido está, cada vez mais, retido. Existe um compasso de espera.

Ontem, foi divulgada a taxa de desemprego em abril na Região Metropolitana de São Paulo ficou em 16,8%. Segundo levantamento divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o patamar é o mais alto em dez anos para o mês. Em abril de 2006, a Grande São Paulo tinha um índice de desemprego de 16,9%. A pesquisa foi feita com apoio da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).

Em 12 meses, o contingente de pessoas em idade econômica ativa sem emprego teve um acréscimo de 501 mil, chegando aos atuais 1,8 milhão de desempregados. No período, 407 mil postos de trabalho foram fechados e 94 mil trabalhadores ingressaram no mercado, mas não conseguiram colocação. Com isso, em relação a abril de 2015, a taxa de desemprego na metrópole registra alta de 36,6%.

Outro dado importante sobre postos de trabalho foi divulgado pelo Ministério do Trabalho. Segundo levantamento, o Brasil fechou 62.844 vagas de trabalho com carteira assinada em abril, segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O número é menor que o registrado em abril do ano passado, quando o País fechou 97.828 postos de trabalho.

No acumulado dos quatro primeiros meses deste ano, o Brasil perdeu 378.481 empregos formais. Nos últimos 12 meses, já foram reduzidas 1.825.609 vagas formais. Os números levam em conta a diferença entre demissões e contratações.

A situação do desemprego continua muito preocupante. É importante que o País comece a “andar” para que dê respostas aos dados adversos. A geração de emprego, que é um desafio grande, pode contribuir para melhorar não só a vida da população, mas garantir uma economia mais robusta para o País.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias