Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 27 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/10/2020
PMMC MULTI 2020
SOUZA ARAUJO
PMMC COVID VERDE
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC OUT ROSA

Gasto com saúde

13 DEZ 2015 - 07h00

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o consumo final de bens e serviços de saúde totalizou, em 2013, no Brasil, R$ 424 bilhões, o equivalente a 8% do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e serviços produzidos no País.

Os gastos, com certeza, têm sido altos, sobretudo por conta de uma parte da população optar pelos planos de saúde constantemente alvo de reclamações.

Segundo dados do IBGE, as despesas de consumo do governo alcançaram R$ 190 bilhões, ou 3,6% do PIB, enquanto as despesas de famílias e instituições sem fins de lucro a serviço das famílias, como Organizações Não-Governamentais (ONGs) e igrejas, que prestam serviços assistenciais, somaram R$ 234 bilhões (4,4% do PIB).

As despesas com consumo final de bens e serviços de saúde corresponderam a 7,1% do total das despesas de consumo final das famílias, em 2013. Nas despesas de consumo final do governo, este número se eleva para 18,9%.

A despesa 'per capita', isto é, por indivíduo, com o consumo de bens e serviços de saúde foi R$ 1.162,14 para as famílias e instituições assistenciais, em 2013. Para o governo, a despesa por habitante foi R$ 946,21.

Os dados do IBGE mostram que 77,6% do total do consumo final de bens e serviços de saúde se destinaram, em 2013, ao consumo de serviços e 20,6% ao consumo de medicamentos.

Apesar do crescimento, a constatação da OMS é de que os valores continuam abaixo da média mundial. Segundo a entidade, os gastos públicos com saúde no mundo em 2012 foram de US$ 615 por pessoa.

O governo paga para que as pessoas consumam. O governo teve uma despesa com saúde pública igual a 2,8% do PIB (R$ 149,9 bilhões), em 2013, e consome também saúde privada, que são os hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Os gastos com saúde, geralmente, são os mais importantes. No entanto, a contribuição do governo, com planos e melhor atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) podem garantir melhores condições de vida à população.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias