Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 26 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 26/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo

O drama do refugiados

19 SET 2015 - 08h00

O drama dos refugiados da Síria traz uma comoção internacional e a comprovação de que é necessário tomar providências para resolver a situação.

Nesta semana, reportagem da Agência Brasil mostrou que pelo menos 473 mil pessoas atravessaram, este ano, o mar Mediterrâneo para chegar à Europa, das quais perto de 40% são oriundas da Síria. O número é o dobro do registrado no ano passado, segundo cálculo da Organização Internacional das Migrações (OIM).

Da Síria chegaram 182 mil pessoas, 38% do total, quando em 2014 os refugiados sírios na Europa representaram menos de 30% das entradas. De todas as pessoas que chegaram à Europa, 349 mil entraram pela Grécia, 121 mil pela Itália e duas mil pela Espanha.

De acordo com os levantamentos da organização, pelo menos 2.812 pessoas morreram tentando a travessia pelo mar. O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Refugiados indicou que o número de mortos é superior a 2,9 mil.

Joel Millman, porta-voz da OIM, explicou que a diferença dos números se deve, provavelmente, ao fato de esta organização contabilizar apenas as mortes ocorridas no mar, não incluindo as pessoas mortas no continente, após a travessia do Mediterrâneo.

Millman afirmou que o mês de setembro registra, até agora, uma média de oito mortes por dia, de pessoas que tentavam atravessar o Mediterrâneo.

A situação dos refugiados é complexa. É uma questão humanitária e de direitos humanos.

Ontem, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, anunciou o início da instalação de uma barreira de arame farpado na fronteira com a Croácia para se proteger dos milhares de migrantes que pretendem alcançar a Europa Ocidental.

A Croácia começou a encaminhar os migrantes que estão no seu território para a fronteira com a Hungria. A barreira vai ser instalada ao longo de 41 quilômetros de terra, acrescentou o primeiro-ministro. Os restantes 330 quilômetros de fronteira entre os dois países estão delimitados pelo Rio Drave, de difícil travessia.

É importante que, sobretudo, os países mais ricos consigam adotar uma política conjunta para garantir uma solução para todos os refugiados da Síria. São trabalhadores, pais, mães que precisam de abrigo.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias