Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 27 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo
PMMC COVID SAÚDE
ÚNICCO POÁ

Portal de informações

10 MAI 2016 - 08h00

Todo cidadão tem direito a ter acesso às informações. É a base de uma democracia conhecer e, muito mais que isso, ter direito aos dados públicos.

O governo do Estado de São Paulo que, vez ou outra, se envolvia em polêmicas por conta da divulgação de dados públicos, ontem tomou uma medida importante. Lançou portal de informações sobre segurança pública do País.

Intitulado SSP - Transparência, o site divulgará mais de 120 mil dados sobre criminalidade, como, por exemplo, os Boletins de Ocorrência sobre homicídios, latrocínios, lesão seguida de morte, mortes em confronto com a polícia e morte suspeita.

A decisão tomada é importante. O que se espera, sobretudo, é a veracidade das informações, garantindo amplo conhecimento aos cidadãos.

Agora São Paulo tem no Brasil um mecanismo de transparência dos seus dados.

Tudo para acompanhamento de cidadãos, pesquisadores, enfim, por todos os setores da sociedade.

O acesso às informações devem pautar a base de um governo transparente, garantindo a acessibilidade de todos os setores.

O governo do Estado já divulgava índices e informações sobre produtividade das polícias por área, município e unidade policial de suas 645 cidades. A diferença, agora, é que esses novos dados permitem uma detalhada análise de informações essenciais no combate ao crime.

Todos os boletins de ocorrência, inclusive os complementares, poderão ser consultados por mês e ano, desde 2003, em relação aos homicídios dolosos, latrocínios e lesão corporal dolosa seguida de morte, e desde 2013, tanto em relação à morte decorrente de oposição à intervenção policial, quanto em relação aos casos de mortes suspeitas. São mais de 64 mil boletins.

Tais documentos serão apresentados na forma em que foram registrados pelas unidades policiais, somente sendo excluídos, por se tratar de dados pessoais protegidos por lei, o endereço da vítima e o nome e qualificação das testemunhas.

A medida é, sem dúvida, importante garantia de mais transparência e credibilidade a todos os cidadãos do Estado.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias