Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 01 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 01/10/2020
ÚNICCO POÁ
SOUZA ARAUJO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Produtos piratas

04 JUN 2016 - 08h00

A pirataria é um dos grandes desafios a ser combatido no País. Trata-se da prática de vender ou distribuir produtos sem a expressa autorização dos proprietários de uma marca ou produto. É considerada crime contra o direito autoral. Causa um grande prejuízo aos cofres estaduais. A pena para este delito pode chegar a quatro anos de reclusão e multa.

Os principais produtos pirateados são roupas, calçados, utensílios domésticos, remédios, livros, softwares e CDs. A pirataria, considerada por muitos especialistas como o crime do século XXI, atualmente movimenta mais recursos que o narcotráfico. O crime é financiado, em sua maioria, por grandes grupos organizados e máfias internacionais.

Além de poder frustrar o consumidor nos quesitos qualidade, durabilidade e eficiência, a pirataria de certos produtos, como remédios, óculos de sol e bebidas, por exemplo, pode representar sérios danos à saúde do consumidor.

Ontem, o DS trouxe reportagem mostrando que a pirataria está sendo combatida em Suzano. A Guarda Civil Municipal (GCM) apreendeu, esta semana , na Rua General Francisco Glicério, quase mil produtos piratas comercializados.

A operação atende reivindicações dos comerciantes e da população em geral, que tem requerido providências sobre a grande quantidade de ambulantes ilegais e mercadorias que são comercializadas indiscriminadamente nas calçadas das principais vias de acesso da malha central.

Durante a abordagem, foram recolhidas 478 mídias piratas, 348 pares de meias, 58 óculos de sol, 38 cintos de curvim, 41 carteiras de bolso, um pen drive e cinco quilos de doces e balas com procedência duvidosa.

A GCM programa operações diárias e em horários alternados em toda malha central e nos centros comerciais dos bairros. O objetivo é buscar a regularização do comércio informal. As mercadorias apreendidas serão destruídas (incineradas).

Especialistas garantem que precisamos ampliar o debate sobre o problema da pirataria e entender que não é apenas o direito ao lucro por parte do autor de uma obra que está em jogo. Embora esse direito deva ser assegurado, é preciso pensar em formas de permitir o acesso absoluto da população que tenha interesse no consumo de uma obra. O caminho que vem sendo trilhado é o do barateamento ao acesso, o que cada vez mais tem se provado a forma mais lucrativa de combate à pirataria.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias