Envie seu vídeo(11) 4745-6900
quarta 27 de outubro de 2021

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/10/2021

Qualidade da água

23 SET 2021 - 05h00

Nesta quarta-feira, dia 22 de setembro, foi comemorado o Dia do Tietê. 
Uma reportagem da Agência Brasil mostrou que a qualidade da água na bacia do rio, o maior do Estado de São Paulo, apresentou melhora no período de setembro de 2020 a agosto de 2021, na comparação com o mesmo período do ano anterior. A conclusão é do relatório Observando o Tietê, da Fundação SOS Mata Atlântica, lançado ontem.
Uma boa notícia, uma vez que a necessidade de melhoria da qualidade do rio é urgente e beneficiaria os municípios do Alto Tietê.
A melhoria da água vem sendo observada desde 2016, quando a qualidade predominante da água nas bacias monitoradas passou a ser regular em grande parte dos pontos de coleta – foi de 59,15% em 2015 a 66,3% em 2020, chegando a 67,9% na atual análise.
A água de boa qualidade também teve aumento nos registros, passando de 4,23% em 2010 para 7,2% em 2020, alcançando 11,3% neste ano. Com isso, a água boa e regular, que permite usos múltiplos e vida aquática, chegou a 407 quilômetros do rio, o que representa 70,63% de todo o trecho monitorado, conforme mostrou reportagem da Agência Brasil.
Só para se ter uma ideia, o monitoramento é feito ao longo de 576 quilômetros do rio principal, desde a nascente, em Salesópolis, até a jusante da eclusa do Reservatório de Barra Bonita, além da coleta em 21 rios afluentes do Tietê. Ao todo, são 53 pontos de coleta. O Tietê corta o estado por 1.100 quilômetros, desde sua nascente até a foz no Rio Paraná, no município de Itapura.
O estudo publicado na Agência Brasil mostrou também que a água com qualidade ruim, que chegava a 44,95% em 2015, caiu para 25,3% no ano passado e para 13,2% em 2021. Em 2020, havia uma mancha de poluição de 150 quilômetros do rio, em dois trechos não contínuos. Já neste ano ela foi reduzida em 65 quilômetros, ou quase 50%.
Os dados mostram, no entanto, que há ainda uma longa trajetória para que se alcance um patamar compatível com a importância do maior rio do estado de São Paulo, conforme a entidade. Pontos de coleta com água de ótima qualidade não são observados desde 2010 na bacia. Além disso, a categoria péssima teve crescimento.
É, sem dúvida, importante que a melhoria da qualidade da água do rio seja uma prioridade com a participação dos municípios e um amplo trabalho de conscientização da população. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias