Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 26 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/10/2020
SOUZA ARAUJO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID VERDE
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC MULTI 2020

Repelentes e a zika

12 DEZ 2015 - 07h00

O surto da dengue e os casos de zika vírus que têm preocupado a população e os governos municipais, estaduais e federal.

Na edição de ontem, o DS trouxe reportagem mostrando que repelentes nas farmácias de Suzano cresceu mais de 50%.

O que se sabe até agora é que aumentou o número de casos de microcefalia no Brasil. E o Ministério da Saúde anunciou novas medidas para investigar o que isso tem a ver com a propagação do zika vírus.

Em apenas uma semana, o número de casos suspeitos de microcefalia no País aumentou 41%. Passou de 1.248 para 1.761.

Pernambuco ainda é o Estado com o maior número de casos: 804. Os bebês com malformação do cérebro nasceram em 13 estados e no Distrito Federal. O Ministério da Saúde investiga 19 mortes de crianças com suspeita de microcefalia provocada pelo zika vírus.

O ministério também anunciou a criação de um protocolo de emergência, um novo modelo de procedimento pra passar informações aos profissionais da saúde e equipes da vigilância.

Para tentar evitar a proliferação da doença, a procura por repelentes vem crescendo em Suzano.

O DS mostrou que, em algumas delas, o produto já não pode ser encontrado nas prateleiras.

Realmente com a epidemia de dengue e o crescente número de casos de microcefalia associada a ocorrência do zika vírus, muitas pessoas, incluindo gestantes, têm recorrido ao uso de repelentes para tentar se proteger das picadas do Aedes aegypt, mosquito transmissor dessas doenças, acatando recomendação feita pelo Ministério da Saúde.

Contudo, nem todo repelente pode ser usado por crianças e grávidas. Além disso, os vários tipos do produto possuem tempo de ação diferentes, o que pode comprometer a eficácia da proteção se esse detalhe não for observado ou ocasionar outros problemas de saúde, alertam infectologistas.

A situação é preocupante, mas é importante seguir as orientações das autoridades de Saúde para evitar que o número de casos possa crescer ainda mais no País e chegar às cidades do Alto Tietê.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias