Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 19 de setembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/09/2019
PMMC ENTREGAS
PMMC CIAS
Centerplex 19 a 25/09

Risco iminente

13 FEV 2019 - 23h59
É preocupante a situação da Santa Casa de Suzano. O único hospital com leitos de atendimento corre o risco de fechar as portas e deixar milhares de suzanenses sem atendimento médico.
O Pronto-Socorro (PS) Municipal, que presta serviço de urgência e emergência principalmente, já está superlotado. Atende em média 20 mil pacientes por mês.
A situação crítica da Santa Casa de Suzano foi mostrada ontem, em reportagem do DS. 
A Prefeitura recebeu relatório do Conselho Fiscal mostrando que a entidade tem dívida de R$ 321,82 milhões. Desse total, R$ 79,023 milhões são de dívidas gerais (Fornecedores, Tributos, etc), R$ 229,18 milhões de ações judiciais em trâmite e R$ 13,61 milhões de dívidas no Tribunal de Contas. 
A reportagem mostrou que uma parte da dívida foi paga pela Prefeitura em 2017 e 2018. O valor pago de R$ 13,39 milhões - que inclui fornecedores, décimo terceiro atrasado, parte de acordo trabalhista, tributos federais e empréstimo a Caixa Econômica Federal (CEF) - diminuiu o valor inicial, que era de R$ 335,22 milhões. 
A situação crítica não atinge somente Suzano. Em 2017, uma reportagem do portal Rede Brasil Atual, mostrou que em todo o Brasil, com 2.100 Santas Casas, apenas 10% tem situação financeira equilibrada. A maioria (90%) está endividada. O dado é da Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB). A dívida total chega a R$ 22 bilhões. 
Um estudo da assessoria econômica da Câmara dos Deputados mostra que a União custeia 60% das despesas de cada um desses hospitais, onde mais de 90% dos atendimentos são para pacientes que não podem pagar ou não têm convênio médico particular.
Em Suzano, mesmo com uma parte quitada, a Santa Casa corre o risco de ser fechada, já que o prédio hospitalar foi penhorado em 2016. 
Se a Santa Casa perder o prédio, não será possível “reviver” a Santa Casa, já que o custo para ir para outro prédio é muito alto, segundo informou a Prefeitura esta semana.
A administração atual entrou com recurso para impedir que o imóvel fosse a leilão. O processo ainda segue em trâmite. 
O relatório da situação financeira da Santa Casa foi apresentado após o pedido de urgência do prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR). A empresa responsável pela auditoria da Santa Casa pediu um prazo de 60 dias para finalizar os procedimentos, uma vez que a dificuldade em reunir documentos da unidade de saúde é grande. Para isso, um grupo de trabalho foi criado para adiantar os números à população. 

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias