Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 27 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/10/2020
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC MULTI 2020
PMMC OUT ROSA
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC COVID VERDE

Trabalho infantil doméstico

20 MAR 2016 - 08h00

A luta contra o trabalho infantil tem sido reforçada pelas autoridades municipais, estaduais e federal.

Nesta semana, o número de trabalhadores infantojuvenis ocupados nos serviços domésticos no Brasil caiu 17,6% entre 2012 e 2013. De 2008 a 2013, período em que houve um maior enfrentamento ao trabalho infantil doméstico, o Brasil atingiu uma redução de 34,5%, o que representa queda de mais de 113 mil casos. Os números estão na pesquisa “Trabalho Infantil e Trabalho Infantil Doméstico no Brasil”, divulgada na semana passada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil.

É preciso “desidealizar” o trabalho infantil doméstico. Ele chega para a maioria das pessoas como uma oportunidade. E isto estabelece a cultura do “pelo menos está trabalhando, e não na rua”, segundo especialistas. Os números mostram o contrário.

Em termos de desempenho, de continuidade dos estudos e de mudança para outra profissão, percebe-se que as mulheres adultas trabalhadoras domésticas eram trabalhadoras domésticas na infância e na adolescência.

De acordo com estudo, as meninas, por executarem afazeres domésticos dentro de suas próprias casas, acabam tendo muito menos tempo para brincar do que os meninos, por exemplo. Para especialistas são desvantagens que as meninas vivenciam simplesmente por serem meninas. Em muitos contextos, as meninas vivenciam muito menos os seus direitos que os meninos.

Infelizmente a redução do trabalho infantil só se refere ao doméstico, uma vez que, de maneira geral, apresentou aumento de 4,5%, ou seja, um acréscimo de 143 mil novos casos de crianças trabalhando, entre 2013 e 2014.

O crescimento na taxa de trabalho infantil se deve a alguns entraves. A maior incidência foi entre crianças acima de 14 anos. É nessa idade que há um maior abandono da escola, porque o adolescente está inserido na sociedade de consumo e ele quer uma camiseta, um tênis.

Por todos esses dados é importante garantir que a criança tenha amplo acesso à escola. A situação grave pela qual passa o País deve servir de reflexão na tentativa de reverter a situação desfavorável nessa área.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias