Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 29 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 29/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
SOUZA ARAUJO
Pmmc Sarampo
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

CBF: em Comitê de Reformas, maioria dos integrantes é ligada à entidade

19 FEV 2016 - 07h00

Apesar de o comitê de reformas criado pela CBF ontem ter pelo menos 10 dos 17 nomes ligados de alguma forma à entidade, o secretário-geral Walter Feldman - escolhido presidente do grupo - considera que o órgão será totalmente independente para sugerir mudanças na organização do futebol brasileiro. Dentre as funções do comitê está a mudança do estatuto da CBF, a implementação de um código de ética e até mesmo alterações no calendário do futebol brasileiro.

A constituição do comitê contou com a consultoria da Ernst & Young, que sugeriu que os integrantes que não tivessem vínculo direto ou indireto com a CBF fossem remunerados. Oficialmente, a entidade afirma que apenas dois dos 17 membros pertencem à confederação (além de Feldman, o diretor-executivo Rogério Caboclo), mas 10 deles não receberão os honorários - o valor irá girar entre R$ 3 mil e R$ 5 mil.

"Relação com a CBF quase todo mundo tem, é muito difícil não ter na medida que ela organiza todo o sistema do futebol. Mas a relação que existe não é uma relação que descaracterize a independência das pessoas. Impede o pagamento, mas não tira em absoluto a liberdade de manifestação ou expressão. Da diretoria da CBF, são só dois", declarou Feldman. A explicação para 10 membros não receberem pagamento é "excesso de zelo".

Os nomes escolhidos vão de ex-jogadores da seleção brasileira, passando por advogados e dirigentes de federações. Feldman afirmou que nominata foi construída ao longo dos últimos meses, sem dizer quem apontou os integrantes.

"Aqui dentro da CBF, com todo esse trabalho que vem sendo realizado desde o início da gestão, contatamos as pessoas e interpretamos a contribuição de cada uma, mas nós não podíamos, pelo caráter tenaz e de sigilo, fazer um debate em cada instituição ou segmento porque isso tiraria a possibilidade de implantarmos com o tempo necessário e o sigilo adequado", disse. "São figuras que, na nossa avaliação, tem uma postura permanente de contribuição".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias