Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quarta 30 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 30/09/2020
SOUZA ARAUJO
ÚNICCO POÁ
Pmmc Sarampo
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO

Dunga é cobrado, mas Rinaldi rejeita demissão

06 ABR 2016 - 08h00

O trabalho do técnico Dunga à frente da seleção brasileira foi cobrado em reunião ontem, na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), no Rio, com a presença inclusive do presidente licenciado Marco Polo del Nero. O treinador vem sofrendo pressão dentro da própria entidade e corria o risco de ser afastado do comando da seleção olímpica.

Apesar disso, o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, negou qualquer cobrança. No fim da tarde, após a reunião, ele apareceu no saguão da CBF para um breve discurso. "Não tenho muito o que falar", afirmou, para depois dizer que não iria responder a nenhuma pergunta.

Segundo Gilmar Rinaldi, a reunião de ontem serviu para tratar da programação da seleção brasileira para a Copa América Centenário e para os Jogos Olímpicos do Rio. "Fui almoçar com o presidente (Antonio Carlos) Nunes, como sempre, para passar um relatório. Normal", declarou.

Questionado sobre a permanência dele e de Dunga à frente da seleção, o coordenador relutou em responder. "É uma surpresa que estejam me fazendo essa pergunta. Minha função aqui era de tratar da programação", insistiu. E garantiu Dunga à frente da seleção olímpica. "Isso está definido há um ano e meio".

Já o presidente em exercício da CBF, Coronel Nunes, admitiu que a seleção brasileira vive momento difícil nas Eliminatórias da Copa do Mundo e cobra evolução da equipe comandada pelo técnico Dunga, que sofre com críticas e questionamentos em razão dos recentes tropeços.

"Todos nós, como torcedores, achamos assim: 'Ih, não estamos gostando'. Porque todos nós queremos ganhar, ganhar, ganhar, ninguém quer perder ", disse o dirigente.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias