Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 27 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
Pmmc Sarampo
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
ÚNICCO POÁ

Fifa elege novo presidente hoje, mas velhas práticas devem ser mantidas

26 FEV 2016 - 08h00

"Essa é nossa última chance de garantir a sobrevivência da Fifa." A frase, dita à reportagem do jornal O Estado de S. Paulo pelo príncipe da Jordânia, Ali bin Hussein, um dos cinco postulantes à presidência na eleição que ocorre hoje, reflete a crise que se instalou na entidade. No entanto, do discurso à prática o abismo é imenso. Os métodos utilizados pelos candidatos que prometem criar uma "nova Fifa" são os mesmos dos cartolas que durante décadas controlaram a organização: distribuição de dinheiro e de privilégios e promessas de cargos.

As regalias aos dirigentes/eleitores (são 207 com direito a voto) foram mantidas. Eles podem desfrutar de privilégios diversos, limusines, hotéis de luxo e grandes festas. Apenas para gastos pessoais, cada um recebe US$ 1 mil por dia. E ninguém precisa prestar contas. No total, a Fifa vai distribuir mais de US$ 600 mil (R$ 2,4 milhões) para que os dirigentes possam pagar suas contas em Zurique. E isso sem contar com a passagem aérea e as diárias de hotéis.

Todos os candidatos tiveram altos cargos na entidade enquanto a corrupção era generalizada. Mas os cinco dizem ser a chave para o futuro de uma Fifa mais transparente e moderna. O advogado suíço-italiano Gianni Infantino é um dos favoritos. Seus adversários o acusam de tentar convencer os eleitores com práticas já conhecidas. Infantino prometeu mais vagas na Copa do Mundo, com 40 países, oferece cargos na entidade e também aumentar a transferência de dinheiro da Fifa para os cartolas nacionais, num valor de US$ 5 milhões. No total, distribuiria US$ 1 bilhão.

Para seu maior adversário, Salman bin Ebrahim Al Khalifa (presidente da Confederação Asiática de Futebol), as propostas de Infantino vão "quebrar a Fifa em três anos". Mas ele não deixa de oferecer regalias. Aos pequenos países, garantiu que não vai diminuir o número de cargos e comissões na Fifa. Trata-se de um salário de até US$ 200 mil por ano, viagens em primeira classe e diárias de US$ 1 mil por membro. Ontem, levou um perfume de marca para cada um dos delegados e ainda garantiu: "A Fifa não precisa de uma revolução".

Com 40 anos, o príncipe Ali bin Al Hussein também se apresenta como o "novo rosto da Fifa". Porém há poucos dias, numa reunião com dirigentes, o jordaniano brincou: "Obrigado por me receberem Eu daria algo em troca, mas sabe como é essa coisa de ética".

Para o francês Jerome Champagne, seus adversários têm "simplesmente oferecido dinheiro em troca de apoio, repetindo o sistema antigo". O ex-diplomata é o único a ter um programa completo de trabalho, com propostas para limitar os custos das Copas e de impedir uma concentração de poder no futebol apenas na Europa.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias