Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sexta 25 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/09/2020
Pmmc Sarampo
PMMC COVID SAÚDE
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
ÚNICCO POÁ

Na estreia de Doriva, SP perde do Fluminense

15 OUT 2015 - 08h00

Na estreia de Doriva como técnico, o São Paulo continuou tão irregular e cheio de falhas na defesa como em partidas anteriores. O Fluminense foi mais competente e conseguiu fazer 2 a 0, ontem, no estádio do Maracanã, no Rio, pela 30.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O tropeço impede o time do Morumbi de entrar provisoriamente no G4 e não serve para compensar a crise política no clube.

O intervalo de 10 dias na competição e a chegada do novo treinador para a vaga do colombiano Juan Carlos Osorio não trouxeram um resultado positivo. O São Paulo chegou à 10.ª derrota em 30 rodadas, estacionou na quinta posição e pode ver o Santos ampliar vantagem dentro da zona de classificação à Copa Libertadores. Já o Fluminense chegou aos 40 pontos e segue na parte intermediária da tabela de classificação.

O ambiente conturbado no São Paulo pela renúncia do presidente Carlos Miguel Aidar teve uma breve pausa para ver a estreia de Doriva. Seis dias depois de chegar ao clube, o técnico se manteve fiel ao discurso da apresentação ao escalar o time no 4-2-3-1 e sem jogadores em posições improvisadas.

O momento ruim pareceu ter abatido o time. Os jogadores em certos momentos pareceram nervosos. Só o São Paulo levou cartões amarelos no jogo. Com apenas dois desfalques, a formação contra o Fluminense é parecida com aquela que será força máxima, no entender do treinador. Somente Carlinhos e Michel Bastos devem completar os titulares.

O primeiro tempo de poucas chances de gol foi um jogo "enroscado", ruim de se ver. Os números de erros de passes e de impedimentos superaram a quantidade de lances de emoção. A bola ficou em disputas na intermediária em vez de dominada e trabalhada por quem sabia como criar. O São Paulo contribuiu bastante para essa pasmaceira. O time teve mais posse de bola, mas pecava pela lentidão e pela falta de opções de jogo. Os volantes tentavam iniciar a saída para o ataque e encontravam as peças ofensivas marcadas. Então, tudo ficava travado.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias