Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 05 de dezembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 05/12/2020

Palmeiras perde na estreia de Cuca e se complica na Libertadores

18 MAR 2016 - 08h00

Desde o ano passado, o assunto no Palmeiras era a Copa Libertadores deste ano. O elenco numeroso foi ainda mais reforçado e a confiança era total. Quatro jogos depois e atuações decepcionantes, só uma grande combinação de resultados faz o time alviverde se manter vivo na competição continental. A derrota por 1 a 0 para o Nacional na noite de ontem, em Montevidéu, foi um balde de água fria na estreia do técnico Cuca.

O treinador chegou ao clube fazendo juras de amor e prometendo mudanças. Teve dois treinamentos com todo o elenco e não deu tempo de fazer muita coisa diferente. De fato, o técnico Cuca escalou caras novas, como Gabriel (que voltou ao time após sete meses), Arouca e Allione, mas a falta de organização e criação de jogadas foi a mesma dos tempos de Marcelo Oliveira.

Antes de a bola rolar, foi feito um minuto de silêncio em homenagem ao ex-atacante Gaúcho, que defendeu o Palmeiras no fim da década de 80 e teve a carreira marcada por defender um pênalti contra o Flamengo, e pela irreverência na comemoração dos gols.

O Nacional entrou em campo da mesma forma que fez no Allianz Parque, quando venceu por 2 a 1, na semana passada. Foi para o ataque e jogou em cima dos erros individuais e dispostos a arrumar confusão em todo o lance. Os palmeirenses, mostrando ingenuidade muitas vezes, caiu na pilha do adversário e se deixou levar durante toda a primeira etapa.

De diferente no time de Cuca, a linha de impedimento, que falhou algumas vezes, até pela falta de entrosamento, e também o fato de ter uma variação de tática ao longo da partida, que também não surtiu o efeito esperado. Tanto que o goleiro do Nacional foi aparecer no jogo por volta dos 30 minutos. Antes, pela TV não era possível nem saber a cor de seu uniforme.

No banco de reservas, Cuca gritava, gesticulava e tentava entender o motivo de não ver em campo o que foi treinado. No fim do primeiro, os jogadores perceberam que também precisavam mudar a postura. Eles se reuniram no centro do gramado, conversaram e tentaram se entender.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias