Envie seu vídeo(11) 97569-1373
sábado 22 de setembro de 2018

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 21/09/2018
MRV AGOSTO - SÁLVIA
PMMC - SETEMBRO FOOD TRUCK SOLIDÁRIO
PMMC SETEMBRO - ENTRE
Esporte

Trio argentino apitará final da Copa do Mundo

Por Jorge Wamburg - da Agência Brasil13 JUL 2018 - 15h23
Argentino Néstor Pitana será o árbitro da final da Copa do Mundo, entre França e CroáciaFoto: Divulgação

O argentino Néstor Pitana será o árbitro da final da Copa do Mundo, entre França e Croácia, domingo (15), em Moscou, ao meio-dia, no horário de Brasília.

A escolha foi anunciada nessa quinta-feira (12), pela Fifa, assim como os nomes dos bandeirinhas, também argentinos, Hernan Maidana e Juan Pablo Belatti. Juntos, os três já trabalharam em quatro jogos no Mundial, dois deles envolvendo justamente os finalistas da Copa.

Pitana, de 43 anos, e seus compatriotas trabalharam no jogo de abertura da Copa, entre Rússia e Arábia Saudita; México e Suécia, pela terceira rodada da primeira fase; Croácia e Dinamarca, pelas oitavas de final, e Uruguai e França, pelas quartas.

Néstor Pitana será o segundo argentino a apitar uma final de Copa do Mundo, depois de Horacio Elizondo, árbitro de Itália e França, em 2006.

O quarto árbitro da final será o holandês Bjorn Kuipers e o assistente, seu compatriota Erwin Zeinstra. A Fifa deve anunciar nesta sexta-feira (13) quem será o árbitro de vídeo. O brasileiro Wilton Pereira Sampaio, que já trabalhou na função durante a Copa, poderá ser o escolhido.

A disputa do terceiro lugar, entre Bélgica e Inglaterra, terá um trio de arbitragem iraniano. Alireza Faghani será o juiz, com os auxiliares Reza Sokhandan e Moha Mansouri. O jogo será neste sábado (14), às 11h (em Brasília), em São Petersburgo.

Nessa quinta-feira, a Fifa pediu às emissoras de televisão que evitem filmar torcedoras “atraentes”, nos últimos jogos da Copa do Mundo.

O motivo é não estimular os casos de assédio sexual às mulheres nesses últimos momentos da Copa, que chegaram a 45 casos, conforme as denúncias recebidas até agora, mas o número pode ser ainda maior.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias