Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 27 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 26/09/2020
PMMC COVID SAÚDE
ÚNICCO POÁ
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo

Valcke deixa Fifa após denúncia de venda de ingressos

18 SET 2015 - 08h00

Depois de ser acusado de ter operado um sistema de venda de ingressos para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, o francês Jérôme Valcke deixou o cargo de secretário-geral da Fifa ontem. Ele passou a ser investigado pelo Comitê de Ética a pedido da própria Fifa. Sua saída foi anunciada em comunicado oficial, com "fins imediatos", pela entidade. "Valcke foi liberado das suas obrigações", disse a Fifa, que não cita a palavra renúncia e insiste que o executivo passará a ser investigado.

Ele é acusado de ter fechado acordos para ficar com 50% dos lucros da venda de ingressos para a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, em um esquema com ágio de mais de 200% nos valores das entradas e que teria envolvido mais de 2 milhões de euros (R$ 8,6 milhões) apenas para o bolso do dirigente.

Em um esquema que revela um "mercado negro" de ingressos operando dentro da própria Fifa, as acusações foram apresentadas nesta quinta-feira por Benny Alon, empresário israelense e norte-americano que desde 1990 trabalha com a venda de entradas para os Mundiais. Sua empresa, a JB Marketing, ainda apontou para o "desaparecimento" de 8,3 mil entradas para a competição e que teriam de ser vendidas pela empresa no torneio.

O jornal O Estado de S.Paulo foi um dos 10 meios de comunicação do mundo e o único no Brasil a receber com exclusividade e-mails confidenciais de Valcke, revelando um esquema milionário para a revenda de entradas para o Mundial de 2014 e que está sendo avaliado em um possível caso no Comitê de Ética da Fifa. Valcke se declara inocente. O centro do escândalo é a empresa JB Marketing, que fechou um contrato em 2010 com a Fifa para vender pacotes de ingressos VIPs.

Pelo entendimento, 11 mil ingressos seriam entregues a eles em locais "nobres" dos estádios do Mundial no Brasil em 2014. A empresa teria o direito de escolher 12 jogos para os quais pediria ingressos para colocar no mercado, com preços acima do valor de tabela.

Outros 12 jogos seriam escolhidos pela Fifa e a entidade lhes entregaria partidas sem o mesmo apelo comercial. Esse último pacote envolveria 2,4 mil ingressos.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias