Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 26 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 25/10/2020
PMMC MULTI 2020
PMMC OUT ROSA
SOUZA ARAUJO
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
Pmmc Sarampo Outubro

Cunha diz que oposição não consegue impedir votações na Câmara

24 NOV 2015 - 07h00

 O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse ontem que a oposição não tem número suficiente para impedir que a Casa realize sessões e vote os projetos incluídos na pauta. A oposição ameaça obstruir as sessões para forçar Cunha a se afastar da presidência da Câmara por causa das denúncias contra ele e das investigações de quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética. “Eles já obstruem as votações. Juntos, eles [partidos da oposição] não têm número suficiente para que a Casa pare de trabalhar. Não tem nenhum problema . A Casa vai funcionar. Quem estiver em obstrução, terá de marcar obstrução em plenário”, afirmou Cunha.

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) informou que hoje, às 12 horas, líderes de partidos de oposição vão se reunir na liderança do PPS, a fim de traçar estratégias para forçar o presidente da Câmara a deixar o cargo. De acordo com Ivan Valente, Cunha usa o cargo para dificultar o andamento do processo contra ele no Conselho de Ética.

Cunha acrescentou que já está “habituado” com as ações de alguns partidos contra ele e afirmou que cada um tem o direito de fazer seus protestos.

O presidente da Câmara disse ainda que não tem de avaliar apoio da oposição. Lembrou que os partidos de oposição tiveram candidatos à presidência da Casa e que não votaram nele. Segundo Cunha, não há diferença na campanha contra ele. “Estou vendo a mesma campanha, dos mesmos adversários. Nada mudou.”

Em relação ao parecer do deputado Fausto Pinato (PRB-SP), que pede o prosseguimento das investigações, Eduardo Cunha adiantou que o parecer deverá ser lido hoje, duratne a reunião do Conselho de Ética, marcada para o inicio da tarde.

Segundo Eduardo Cunha, na semana passada, quando o parecer seria lido, ocorreram alguns equívocos, entre eles a convocação da reunião no horário da sessão da Câmara. De acordo com ele, seus advogados questionarão e recorrerão das medidas que ferirem seu direito de defesa.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias