Envie seu vídeo(11) 97569-1373
domingo 20 de outubro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 19/10/2019
Villa Europa
São Paulo Secretaria da educação

Em gesto ao PSDB, Michel Temer deverá deixar articulação política

22 AGO 2015 - 17h20

4O vice-presidente Michel Temer (PMDB) está disposto a deixar o cargo de coordenador político do governo Dilma Rousseff (PT) para se aproximar ainda mais dos partidos de oposição à presidente. O movimento seria uma espécie de alvará para que ele possa intensificar o diálogo iniciado nos últimos dias com líderes do PSDB e que tem no horizonte um apoio dos tucanos a uma eventual gestão Temer no Planalto.

A senha para a movimentação de Temer foi a manifestação pública do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), na segunda-feira passada, defendendo a renúncia de Dilma. Entre tucanos e peemedebistas, as posições de FHC foram interpretadas como um freio nas articulações do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que trabalha pela realização de novas eleições presidenciais.

Alas tucanas alinhadas a FHC e ao senador José Serra (SP) acreditam que não há saída para a crise sem a participação de Temer. Ao longa desta semana, emissários do vice conversaram disseram a tucanos que Temer está disposto a fazer um governo de "transição" caso Dilma não termine o mandato.

Outro compromisso a ser assumido pelo vice, nesse cenário sem Dilma, seria o de não ser candidato à reeleição. Em termos práticos, Temer recebe apoio do PSDB para tirar Dilma e, em contrapartida, abre caminho para uma candidatura tucana em 2018. O vice, no entanto, não abre mão de indicar um nome do PMDB para disputar sua eventual sucessão.

A negociação encontra resistências. Aécio tem fortes restrições à possibilidade de Dilma renunciar por avaliar que os tucanos não podem perder o protagonismo no movimento pelo impeachment da presidente e porque sonha em usar seu bom momento nas pesquisas de intenção de voto para presidente em uma nova eleição - ele é o primeiro colocado nas mais recentes sondagens.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que também resiste a qualquer tipo de afastamento da presidente porque planeja ser candidato somente em 2018, passou a avaliar de maneira positiva a possibilidade de um governo Temer porque, nesse arranjo, Alckmin também se manteria no jogo até lá.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias