Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 27 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 27/10/2020
SOUZA ARAUJO
PMMC OUT ROSA
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID VERDE
Pmmc Sarampo Outubro

Kátia Abreu contraria PMDB e fica no ministério

31 MAR 2016 - 08h00

 A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, confirmou, pelo microblog Twitter, que não deixará o governo. As mensagens foram publicadas instantes depois de uma foto flagrar uma troca de mensagens entre ela e um interlocutor. O texto dizia que ela e mais cinco ministros do PMDB ficariam no governo depois de se licenciarem do partido. Pessoas próximas da ministra informaram ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que ela não manifestou desagrado com o vazamento da mensagem e que até deu risada da situação.

No Twitter, a ministra diz que fica no partido e no governo, apesar dos apelos da ala controlada pelo vice-presidente, Michel Temer, pelo desembarque total do governo. "Continuaremos no governo e no PMDB. Ao lado do Brasil no enfrentamento da crise", disse a ministra. "Deixamos a presidente à vontade caso ela necessite de espaço para recompor sua base", afirmou. "O importante é que na tempestade estaremos juntos", concluiu.

Com essa estratégia, ela e os outros ministros se aproximam do grupo do PMDB controlado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMBD-AL), que tem assumido uma postura contrária ao impeachment. De todos os ministros do PMDB apenas Henrique Eduardo Alves, que ocupava o ministério do Turismo, deve continuar de fora. Ele havia se demitido na última segunda-feira.

RENAN CALHEIROs

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou ontem que se reuniu com ministros do PMDB Eduardo Braga (Minas e Energia), Kátia Abreu (Agricultura) e Helder Barbalho (Portos) após a reunião da Executiva Nacional do partido que decidiu pelo rompimento com o governo da presidente Dilma Rousseff com a consequente entrega imediata de cargos do Executivo Federal ocupado por peemedebista Contudo, ele disse ter se recusado a opinar sobre o que cada um deveria fazer.

"Sinceramente não sei o que se passa na cabeça de cada ministro. Eles conversaram, mas (cada um) externando um ponto de vista e não havia consenso entre eles. Eles ficaram de hoje conversar com a presidente (Dilma Rousseff) e definir com ela o que é que vão fazer. Fiz questão de dizer a eles que, da mesma forma que não quis influir na nomeação deles, muito menos gostaria de influir na exoneração", disse Renan, em entrevista na chegada a seu gabinete no Senado.

O peemedebista, que promoveu um jantar na residência oficial da Presidência do Senado com os ministros, foi lacônico sobre o encontro. Disse apenas que as conversas com eles são sempre muito agradáveis e que conversaram bastante. "Mas eu tenho que ficar muito longe dessa decisão se vão ficar ou não", ressalvou

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias