Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 24 de setembro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 24/09/2020
Pmmc Sarampo
CENTRO MÉDICO CLUBE DS - TOPO
PMMC COVID SAÚDE

Renan ignora decisão da Câmara e mantém trâmite do impeachment

10 MAI 2016 - 08h00

 O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou na tarde de ontem que ignorou a decisão do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), de ter anulado a votação dos deputados que, no dia 17 de abril, admitiram a abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT). Em pronunciamento do comando da Casa, Renan chamou a decisão de Maranhão de "absolutamente intempestiva" e teceu críticas a ele.

"Aceitar essa brincadeira com a democracia seria ficar pessoalmente comprometido com o atraso do processo e ao fim ao cabo não cabe ao presidente do Senado Federal dizer se o processo é justo ou injusto, mas ao plenário do Senado, ao conjunto dos senadores, foi essa a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF)", disse Renan, que foi interrompido sob palmas.

No início da sua fala, o presidente do Senado afirmou que não caberia a ele interferir no discurso dos parlamentares, conforme justificou Maranhão na decisão tomada mais cedo. Disse que a formalidade da decisão de Maranhão não pode anular ato prévio, em referência à decisão do plenário da Câmara que admitiu o impeachment de Dilma.

Renan destacou que sempre procurou agir com isenção e imparcialidade que a democracia brasileira merece. Segundo ele, na condução do processo, vai seguir "fielmente" a Constituição e o Supremo.

O peemedebista disse que, no caso do impeachment do então presidente Fernando Collor em 1992, a autorização dada pela Câmara para o Senado seguir com o processamento de impeachment foi comunicada por meio de ofício. Maranhão havia anulado a votação com o argumento de que essa medida deveria ter sido comunicada por meio de uma resolução.

"Como poderíamos ter dito que a comunicação de 1992 valeu e a atual não", questionou Renan. Ainda assim, ele defendeu, independentemente do resultado do processo atual, a revisão da Lei de Impeachment de 1950. Contudo, ele não deu detalhes sobre o que deveria ser alterado.

Para o presidente do Senado, cabe assinalar a "extemporaneidade" da decisão da Câmara. Ele afirmou que o Senado já está com o assunto há várias semanas, citando o fato de que nove sessões da comissão especial já foram realizadas.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias