Envie seu vídeo(11) 97569-1373
quinta 22 de outubro de 2020

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 22/10/2020
SOUZA ARAUJO
PMMC MULTI 2020
ÚNICCO POÁ
Pmmc Sarampo Outubro
PMMC OUT ROSA

Renan marca para segunda escolha de membros da comissão

20 ABR 2016 - 08h00

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), decidiu remarcar a data em que a composição da comissão especial do impeachment será votada no Senado. Antes agendada para a próxima terça-feira, a votação acontecerá um dia antes. A decisão pode adiantar em uma semana a votação do afastamento da presidente.

Diferentemente de outros membros da oposição, que tentaram um combate direto com Renan Calheiros, Aécio se colocou de forma mais moderada, disse que acatava as decisões do presidente do Senado, mas pediu que houvesse deliberações relacionadas ao impeachment de segunda à sexta, independentemente da sessão ser ou não ordinária.

Na decisão anterior, Renan determinou que os líderes partidários indicassem os membros para participar da comissão até a próxima sexta-feira. A votação em plenário, que elege a comissão, aconteceria apenas na terça-feira, quando acontecesse a próxima sessão ordinária. Com o pedido de Aécio, a votação foi antecipada para a próxima segunda-feira.

Apesar da alteração de data ser apenas de um dia, ela pode adiantar em quase uma semana a votação em plenário da instauração do processo de impeachment, que pode afastar a presidente.

Com a votação na próxima segunda, a comissão deve se reunir até quarta-feira para definir os nomes para presidência e relatoria. A partir daí, o relator terá até dez dias úteis para apresentar e votar seu parecer na comissão. Respeitando esse prazo, a votação que há poucas horas estava prevista para 17 de maio pode acontecer entre 10 e 11 de maio.

DILMA

A presidente reiterou ontem, em entrevista a jornalistas estrangeiros, as críticas que vem fazendo ao processo de impeachment contra ela, que, após aprovação na Câmara, tramita agora no Senado. "Estou sendo vítima de um processo baseado em uma flagrante injustiça e fraude jurídica e política e, ao mesmo tempo, de um golpe. O Brasil tem um veio golpista adormecido", afirmou.

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias