Envie seu vídeo(11) 97569-1373
segunda 16 de setembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 14/09/2019
Centerplex 12/09 a 18/08
PMMC CIAS
Saúde

Rotatividade de profissionais prejudica capacitação para imunizações

Alerta foi dado na Jornada Nacional de Imunizações

Por Vinicius Lisboa - da Agência Brasil05 SET 2019 - 14h14
Rotatividade de profissionais prejudica capacitação para imunizaçõesFoto: Wilson Dias/Agência Brasil

A rotatividade de profissionais de saúde que atuam na vacinação foi um dos problemas apontados nesta quarta-feira (4) durante a Jornada Nacional de Imunizações, que discute como combater a queda nas coberturas vacinais. O evento vai até sábado (7), em Fortaleza, no Ceará.

A troca de equipes temporárias se soma à circulação de notícias falsas, à baixa percepção de que doenças erradicadas são um risco, ao horário limitado de funcionamento dos postos de vacinação e até mesmo à violência que dificulta a visita de agentes de saúde e o deslocamento de pessoas até os postos.

A infectologista Tânia Petraglia, presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro, chamou a atenção para o conhecimento que se perde quando postos de vacinação deixam de ter profissionais de carreira e passam a ter constantes trocas de equipes temporárias.

"O conhecimento sobre vacina está cada vez mais amplo, e a complexidade também. Você não consegue formar as pessoas adequadamente. A reserva de conhecimento é perdida [com a rotatividade]. Ao final, você tem pessoas minimamente formadas para dar conta de situações pontuais, mas não tem aquele profissional de referência com um acúmulo de conhecimento, que é uma pessoa mais indicada para intervir em situações de postergar vacinação e de contestar falsas contraindicações. Isso requer um conhecimento mais profundo", disse.

A pesquisadora avalia que a rotatividade não significa que a solução seja banir as terceirizações, mas que é preciso mesclar profissionais estatutários e terceirizados, e não trocar equipes inteiras de uma só vez.

"Você pode trabalhar com a terceirização, mas tem que rever o modelo de gestão. Vai ter que ter uma gestão mais responsável e mais técnica", defendeu. "Um profissional que começa a ser treinado leva tempo para ficar atualizado e apto a responder qualquer dúvida".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias