Envie seu vídeo(11) 97569-1373
terça 19 de novembro de 2019

Assine o Jornal impresso + Digital por menos de R$ 28 por mês, no plano anual.

Ler JornalAssine
Jornal Diário de Suzano - 18/11/2019
Pmmc maternidade
Pmmc Refis 2019
PMMC SEGURANÇA
PMMC MIGO
PMMC NOVEMBRO AZUL
Saúde

Rotatividade de profissionais prejudica capacitação para imunizações

Alerta foi dado na Jornada Nacional de Imunizações

Por Vinicius Lisboa - da Agência Brasil05 SET 2019 - 14h14
Rotatividade de profissionais prejudica capacitação para imunizaçõesFoto: Wilson Dias/Agência Brasil

A rotatividade de profissionais de saúde que atuam na vacinação foi um dos problemas apontados nesta quarta-feira (4) durante a Jornada Nacional de Imunizações, que discute como combater a queda nas coberturas vacinais. O evento vai até sábado (7), em Fortaleza, no Ceará.

A troca de equipes temporárias se soma à circulação de notícias falsas, à baixa percepção de que doenças erradicadas são um risco, ao horário limitado de funcionamento dos postos de vacinação e até mesmo à violência que dificulta a visita de agentes de saúde e o deslocamento de pessoas até os postos.

A infectologista Tânia Petraglia, presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro, chamou a atenção para o conhecimento que se perde quando postos de vacinação deixam de ter profissionais de carreira e passam a ter constantes trocas de equipes temporárias.

"O conhecimento sobre vacina está cada vez mais amplo, e a complexidade também. Você não consegue formar as pessoas adequadamente. A reserva de conhecimento é perdida [com a rotatividade]. Ao final, você tem pessoas minimamente formadas para dar conta de situações pontuais, mas não tem aquele profissional de referência com um acúmulo de conhecimento, que é uma pessoa mais indicada para intervir em situações de postergar vacinação e de contestar falsas contraindicações. Isso requer um conhecimento mais profundo", disse.

A pesquisadora avalia que a rotatividade não significa que a solução seja banir as terceirizações, mas que é preciso mesclar profissionais estatutários e terceirizados, e não trocar equipes inteiras de uma só vez.

"Você pode trabalhar com a terceirização, mas tem que rever o modelo de gestão. Vai ter que ter uma gestão mais responsável e mais técnica", defendeu. "Um profissional que começa a ser treinado leva tempo para ficar atualizado e apto a responder qualquer dúvida".

Leia Também

Últimas Notícias

Ver Últimas Notícias