Esportes

Após reclamações, Palmeiras aguarda ansioso por sorteio de árbitro da 2ª final

27/11/2015 07:00


A atuação do árbitro paulista Luiz Flávio de Oliveira, que pertence ao quadro da Fifa, ainda causa reclamações no Palmeiras. A diretoria pretende formalizar nos próximos dias uma reclamação contra a arbitragem do clássico contra o Santos, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, pela primeira partida da final da Copa do Brasil, e aguarda ansiosamente pela próxima segunda. A partir das 12 horas, na sede da CBF, no Rio, acontecerá o sorteio para definir o árbitro que vai apitar a decisão no estádio Allianz Parque, casa palmeirense em São Paulo, na quarta-feira. A tendência é que dois árbitros apareçam no sorteio. Nos bastidores é dado como certo que um deles seja Anderson Daronco, do Rio Grande do Sul. O outro deve ser um árbitro paulista, mas é certo que não será Luiz Flávio de Oliveira. Ontem, o goleiro Fernando Prass deu entrevista coletiva, na Academia de Futebol, e protestou contra o fato de Sérgio Corrêa ter defendido a atuação do árbitro na vitória do Santos por 1 a 0. "É uma questão de opinião, mas é muito difícil olhar aquela imagem e não ver que o David Braz, mesmo que involuntariamente, toca na perna do Barrios. O chefe da arbitragem não tem obrigação de comentar, mas a partir do momento que se propõe a dar opinião, não pode querer encobrir ou acobertar o que aconteceu", comentou. Em entrevista ao Globoesporte.com, o chefe da Comissão de Arbitragem, Sérgio Corrêa, disse que não viu pênalti de David Braz em Lucas Barrios, lance que originou a reclamação dos palmeirenses. "É ruim falar de arbitragem e o ideal é falar sobre o jogo, mas não tem como não falar de um lance daqueles. É um pênalti, uma provável expulsão, que tem de se comentar. O mais preocupante é quando o chefe da arbitragem vem e fala que tanto no jogo contra o Atlético Paranaense quanto nesse, o árbitro não errou", reclamou o goleiro palmeirense. Apesar das reclamações, Fernando Prass alertou que o time também teve sua culpa pela derrota na Vila Belmiro. "São coisas separadas, a nossa má atuação e o erro da arbitragem. A gente sabe que os árbitros estão em desvantagem, mas o primeiro passo para melhorar é fazer uma análise e diagnosticar os erros", emendou.