Nacional

CPI aprova convocações de Vaccari e Coutinho

25/03/2015 08:00


Cada vez mais isolado na CPI da Petrobras, o PT viu na tarde de ontem a comissão aprovar três requerimentos de convocação de pessoas ligadas ao partido - inclusive seu tesoureiro, João Vaccari Neto -, enquanto o PMDB conseguiu blindar os três operadores que relacionam a legenda ao esquema de corrupção na estatal. Dentre os 97 requerimentos aprovados, estão os de convocação de Vaccari, do presidente do BNDES, Luciano Coutinho, e de novo depoimento de Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da Petrobras, já ouvido pela CPI. Foram solicitados ainda depoimentos do presidente do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), Nilo Vieira; Venina Velosa, ex-gerente-executiva da Diretoria de Refino e Abastecimento da Petrobras, e Augusto Medonça, executivo da Toyo Setal. As datas desses depoimentos ainda não foram marcadas. Os deputados também concordaram em pedir a quebra dos sigilos telefônico, bancário e fiscal de Barusco e de seu antigo chefe, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque. Amanhã, seria ouvido o representante da SBM Offshore no Brasil, Júlio Faerman, mas ele não foi encontrado pela comissão. Segundo Barusco, foi a Faerman que ele pediu os US$ 300 mil entregues a Vaccari para a campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2010. Para substituir o depoimento de Faerman, a CPI convocou às pressas a ex-presidente da Petrobras Graça Foster, que já prestou depoimento a outras comissões do Congresso, inclusive a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito). "Ficar ouvindo apenas ex-presidentes e ex-diretores da Petrobras não fica uma imagem muito boa para a CPI", disse o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), relator da CPI.