Região

119 mil deficientes serão beneficiados com acessibilidade em bibliotecas

06/12/2015 07:00


No Alto Tietê, 119.426 deficientes visuais poderão ser beneficiados com acessibilidade nas bibliotecas públicas caso o projeto 138/2014, de Ciro Nogueira (PP-PI), seja aprovado pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). O número equivale a 7,6% da população total da região, estimada em 2015, pelo Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1.558.916. O número de deficientes foi somado pelo DS com base em dados apresentados pelo Sistema IBGE de Recuperação Automática (Sidra) e levam em consideração pessoas de 10 anos ou mais, que não conseguem enxergar de modo algum, que enxergam com grande dificuldade ou alguma dificuldade e estavam ocupadas na semana de referência, por tipo de deficiência, segundo o sexo e as classes de rendimento nominal mensal de todos os trabalhos. Segundo o projeto apresentado ao senado, todas as cidades que possuem mais de 50 mil habitantes deverão garantir que as bibliotecas públicas tenham atendimento especializado e espaços exclusivos às pessoas com deficiência visual. A partir disso, os ambientes deverão possuir mesas, cadeiras e teclados específicos. Além de facilitar o acesso dessas pessoas aos computadores, por meio da utilização de softwares específicos. Para entrar em vigor, a proposta ainda deve ser aprovada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), onde será votada em decisão terminativa, ou seja, com valor de uma decisão do Senado. De acordo com a presidente da Associação de Apoio para Deficientes Visuais de Suzano (AADVIS), Cleomarcia Barboza, esta é uma medida importante para garantir a inclusão do deficiente visual na sociedade. A presidente explica que muitos deficientes perderam a visão por algum motivo específico, isto é, não nasceram com a deficiência, e por isso, muitos não se adaptaram a leitura em braile. "Muitos de nós usam a memória visual por não ter se adaptado ao braile. Sistemas de voz em computador, celular e semáforos, por exemplo, ajuda muito", afirma. REGIÃO Para se ter uma ideia, o Alto Tietê possui 119.426 deficientes visuais, contudo, Biritiba Mirim, Guararema e Salesópolis, não seriam obrigadas a fornecer os equipamentos específicos, uma vez que possuem menos de 50 mil habitantes. Na região, os municípios que possuem os maiores números de deficientes visuais são Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba e Suzano.