Editorial

Ambulantes

17/12/2015 07:00


Mais uma vez, a solução para os vendedores ambulantes de Suzano ficou difícil, sobretudo, por conta da grande quantidade de “marreteiros” na cidade. Há um certo crescimento. A administração municipal já tentou garantir projetos importantes para manter o emprego e evitar transtornos causados por esses “comerciantes”. O bloqueio da passarela, as críticas que recebem porque deixam de recolher impostos, são algumas das situações a serem resolvidas. Ontem, o DS trouxe reportagem mostrando que equipes da Fiscalização de Posturas, em conjunto com a Guarda Civil Municipal (GCM) e a Polícia Militar (PM), retiraram barracas irregulares instaladas no muro da estação de trem e na praça do Parque Maria Helena. A ação foi realizada, na noite de terça-feira, e organizada pela Secretaria de Assuntos Urbanos. O objetivo principal era organizar o entorno da estação da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Aliás, é nesse local em que existe o maior número de vendedores ambulantes. A medida foi necessária para garantir a higiene pública, uma vez que o local já acumulava grande quantidade de ratos, animais peçonhentos e até focos do mosquito da dengue. Além disso, a ação visou combater a poluição visual e retomar a trafegabilidade das pessoas que utilizam a passagem para acessar a Linha 11-Coral. Ao longo dos últimos meses, a administração municipal realizou diversas reuniões com os ambulantes que se concentravam no local. Todos eles foram notificados com antecedência. Os que possuíam vínculo com o município foram devidamente cadastrados e os que tinham direito a box no Shopping Popular foram encaminhados para o novo espaço. A situação dos ambulantes é mesmo polêmica em Suzano, mas é necessário que busque-se solução na tentativa de não trazer grandes prejuízos tanto aos comerciantes que pagam seus impostos, como para os “marreteiros” - por meio de abertura de oportunidades em trabalho regulares.