Editorial

Reciclagem de lixo

27/01/2016 07:00


Reciclar significa transformar materiais usados em novos produtos para o consumo. Esta necessidade foi despertada pelos seres humanos, a partir do momento em que se verificou os benefícios que este procedimento traz para o planeta Terra. A partir da década de 1980, a produção de embalagens e produtos descartáveis aumentou significativamente, assim como a produção de lixo, principalmente nos países desenvolvidos. Muitos governos e Organizações Não-Governamentais (ONGs) estão cobrando de empresas posturas responsáveis: o crescimento econômico deve estar aliado à preservação do meio ambiente. Atividades como campanhas de coleta seletiva de lixo e reciclagem de alumínio e papel, já são comuns em várias partes do mundo. Na região, a Cooperativa de Reciclagem Unidos pelo Meio Ambiente (Cruma) sofreu um incêndio de grandes proporções que destruiu boa parte da sede da unidade, em Poá. O galpão de 600 mil metros quadrados que abriga a cooperativa, fica na Rua Angatuba, no bairro de Calmon Viana. Muitas campanhas educativas têm despertado a atenção para o problema do lixo nas grandes cidades. Cada vez mais, os centros urbanos, com grande crescimento populacional, tem encontrado dificuldades em conseguir locais para instalarem depósitos de lixo. Portanto, a reciclagem apresenta-se como uma solução viável economicamente, além de ser ambientalmente correta. Nas escolas, muitos alunos são orientados pelos professores a separarem o lixo em suas residências. Outro dado interessante é que já é comum nos grandes condomínios a reciclagem do lixo. Desde o incêndio na Cruma, no início deste ano, os cooperados vêm tentando restabelecer o local. São muitas famílias que participam coletando os materiais reciclados e que se mantêm com este serviço. O não funcionamento da unidade poaense trará grandes prejuízos não somente para cooperados, mas também para o município de Poá. É a cooperativa que faz o recolhimento do lixo e o separa de forma consciente, sem agredir a natureza.