Nacional

'Lula não está sendo investigado', diz ministro

28/01/2016 07:00


 O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, classificou ontem como "especulações absolutamente indevidas" as informações de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é alvo das investigações da 22ª fase da Operação Lava Jato, nomeada de Triplo X. Cardozo disse que, até o momento, não recebeu nenhuma informação de que Lula está sendo investigado. "O ex-presidente Lula não está sendo investigado, nem me parece que, na operação de hoje, tenha sido determinada qualquer medida investigativa com relação à figura do ex-presidente Lula. Portanto, quaisquer outras situações que possam estar sendo colocadas ou veiculadas são especulações absolutamente indevidas", afirmou. Em entrevista na sede do Ministério da Educação durante lançamento de "força-tarefa" de combate a desvios de recursos na área, Cardozo disse que não poderia fazer nenhum comentário sobre a Operação, pois ela está sob sigilo, mas lembrou que o próprio juiz federal Sérgio Moro, que conduz as investigações na primeira instância, já afirmou que o ex-presidente Lula não está sendo investigado. A Polícia Federal deflagrou na manhã de ontem a 22ª etapa da Operação Lava Jato, intitulada Triplo X. O nome é uma referência aos apartamentos, alguns triplex, no Edifício Solaris, no Guarujá, litoral de São Paulo, sob investigação da PF. Um desses apartamentos seria da família do ex-presidente Lula. Manifesto O ministro avaliou como "legítimo" o direito de advogados de investigados pela Operação Lava Jato se manifestarem. Cardozo disse achar "um erro" as pessoas criticarem esses juristas por terem lançado manifesto contra a condução da operação, sobretudo, por parte do Poder Judiciário e do Ministério Público "É absolutamente legítimo que qualquer pessoa se expresse em relação a situações que acham que devam fazê-lo. Os advogados têm o direito legítimo de se manifestar, como também têm os juízes e os membros do Ministério Público", afirmou. "Tenho visto pessoas que têm criticado advogados porque se manifestam, acho isso um erro. Eles têm direito sim, e não pode haver qualquer tipo de perseguição", emendou. Durante a entrevista, Cardozo declarou ainda que, embora tenha uma opinião pessoal, não poderia comentar o mérito do manifesto. "Mas digo que, num Estado de direito, a investigação deve ser feita de forma imparcial, contundente, mas sempre dentro da lei, rigorosamente", afirmou. O ministro da Justiça afirmou que, "se alguém acha que a lei está sendo desrespeitada tem o legítimo direito de se manifestar". "Assim como aqueles que acham que a lei está sendo respeitada também tem o legítimo direito de se posicionar", ponderou logo em seguida.