Cidades

Partidos de Suzano marcam presença em manifestação de hoje

13/03/2016 08:01


A Avenida Paulista será palco de manifestações contra e favor da presidente Dilma Rousseff (PT) hoje. As lideranças suzanenses do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e Partido dos Trabalhadores (PT) confirmaram a participação nos atos. Ainda na região, em Mogi das Cruzes, o movimento Vem pra Rua marcou um ato a contra a presidente na Praça do Relógio, às 9h30. O DS apurou que o Sindicato dos Papeleiros de Mogi e Região não programou nenhuma atividade específica. O presidente do PSDB de Suzano, Claudio Anzai, disse que o partido vai se juntar ao movimento contra a presidente no domingo. Já o presidente do PT, Reginaldo Macedo, disse que vão para São Paulo para apoiar a presidente Dilma e Lula. "Durante toda a semana estivemos conversando a respeito. Vamos nos unir às centrais sindicais, mas a priori não está nada programado para Suzano", afirmou. A presidente do Partido da República (PR) de Suzano, Cintia Renata Lira dos Santos, disse que o partido não vai se mobilizar para as manifestações. "Estamos deixando a critério de cada filiado", afirmou. Outra liderança suzanense que confirmou a presença na manifestação deste domingo é o presidente da Câmara de Suzano, Denis Claudio da Silva (DEM). O presidente do Sindicato dos Papeleiros de Mogi das Cruzes, Suzano e Região, Marcelo da Silva Cavalheiro Mendes, comentou que toda a manifestação é válida, mas fez ressalvas. "Somos favoráveis a manifestações. Desde que seja respeito o Estado de direito democrático", pontuou. O sindicato não terá programação específica neste domingo. MANIFESTAÇÕES O ato contra e favor da presidente Dilma foi convocado pelos movimentos Movimento Brasil Livre (MBL) e do Vem Pra Rua. Os grupos alegam que já entraram em contato com autoridades para garantir a segurança. Entidades de representação como A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aderiram aos protestos. "Convocamos os empresários a participarem desse movimento do dia 13 (hoje), para dentro da ordem que deve caracterizar a posição empresarial, mostrar sua indignação com a falta de solução da crise política, e a paralisia das atividades econômicas", convoca em nota o presidente da ACSP, Alencar Burti. Esta semana, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), proibiu os militantes e manifestantes a favor do PT e Dilma de participarem do evento. Segundo ele é para "garantir a tranquilidade". Segundo o tucano, outra manifestação foi solicitada no sentido contrário da Avenida, mas foi negada. "Esse pleito a favor do impeachment, contra a corrupção, já estava agendado há mais de um mês", afirmou o governador em entrevista à rádio Jovem Pan.