Região

Izidro inaugura nova sede do Creas de Ferraz

19/03/2016 08:01


 A nova sede do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) de Ferraz de Vasconcelos foi inaugurada ontem pelo prefeito em exercício José Izidro Neto (PMDB), vereadores, secretários e demais autoridades. O diretor da Divisão Regional de Assistência e Desenvolvimento Social (Drads), José Rezende Filho, prestigiou a solenidade e representou o governo estadual. O Creas atende desde dezembro na Avenida Dom Pedro II, nº 246 no centro, ao lado da Câmara de Ferraz. O serviço funciona há 10 anos no município e antes o atendimento era feito em três salas no Centro de Integração à Cidadania (CIC), no Parque São Francisco. Agora em um espaço maior para atender a população, o objetivo é dar mais comodidade e um atendimento mais humanizado às pessoas que tenham seus direitos violados em razão de violência física, psicológica, sexual e exploração sexual, negligência e trabalho infantil, além de adolescentes que cometeram atos infracionais e cumprem medida socioeducativa. Eles são atendidos por uma equipe multiprofissional formada por psicólogos, assistente social, terapeuta ocupacional que ajudam a superar o trauma sofrido. A coordenadora do Creas, Regina Célia Novaes Oliveira, foi a primeira a discursar e a falar dos benefícios da nova sede: “Este novo espaço veio para garantir o direito destas pessoas de serem bem atendidas”. Já o diretor da Drads, José Rezende, enalteceu que todas as unidades dos Conselhos Regionais de Assistência Social (Cras) no Alto Tietê trabalhem unidades para compartilhar dificuldades e potencialidades. Representando a Câmara de Ferraz, o vereador Wálter Marsal Rosa (Pros), o Valtinho do Ipanema, elogiou a localização do novo serviço. Ele, que é massagista atende muitos casos de espancamentos. “O prédio mais bem localizado vai ajudar muito a população. Último a discursar, o prefeito José Izidro Neto afirmou que o seu governo é de eleger prioridades, já que os recursos são escassos. E as prioridades são os investimentos em saúde, educação, assistência social e infraestrutura. “Não dá para prometer grandes obras na cidade. Podemos olhar no olho e falar a verdade com a população do que pode ser feito”.