Cidades

Comércio tem movimento menor e clientes optam por presentes baratos

07/05/2016 08:01


Por conta da crise e da redução do poder de compra da população, o comércio de Suzano tem registrado movimento calmo no período que antecede o Dia das Mães. Por isso, os comerciantes aumentam as opções de parcelamento das compras como estratégia de vendas. Já os consumidores contaram que estão optando por presentes mais baratos, para não deixar passar a data em branco e conciliar com o bolso. A gerente de vendas de uma perfumaria na Rua General Francisco Glicério, no Centro, contou que a semana foi tranquila. "Estamos aguardando o fim de semana, já que o maior fluxo geralmente é no sábado (hoje) e no domingo. Por isso ficaremos com a loja aperta no domingo até as 16 horas", explicou Riselma de Lima. De acordo com ela, apesar da tranquilidade, a expectativa é que as vendas cresçam, comparado ao último ano. "Estamos querendo crescer de 5 a 8% a mais que o último ano. Se for para comparar os meses normais, vendemos cerca de 40% a mais", contou Riselma. Como estratégia de venda, a perfumaria aumentou a opção de parcelamento. "Agora já parcelamos em até cinco vezes no cartão. É realmente uma estratégia para a crise", explicou. O mesmo contou o proprietário de uma loja de bolsas, José Roberto Yoshiaki Motooka, de 44 anos. "O movimento está mais ou menos. Se fosse um ano bom já teria começado a procura. Mas a gente espera que melhore no fim de semana", contou. A suzanense Greice Kelly de Oliveira, de 30 anos, foi até a área central de Suzano ontem procurar um presente para sua mãe e voltou para a casa com as mãos vazias. "Eu desisti porque encontrei muita fila. Decidi que vou comprar um pijama para a minha mãe. Só vou comprar mesmo para não passar em branco, mas está tudo muito caro", contou a dona de casa que disse que o pijama era a opção mais viável para o bolso. Já recepcionista Karina Valéria Guerreiro, de 24 anos, se adiantou para comprar seu presente e não ter que encarar o movimento do fim de semana. "Eu comprei já faz mais de uma semana. Escolhi um chinelo decorado. Escolhi também por ser mais acessível. A mãe de uma amiga minha fazia, eu vi e achei a cara da minha mãe", explicou. A irmã de Karina, Kátia Guerreiro, de 34 anos, também contou que optou por um presente mais barato. "Eu comprei um edredom. Já fui à loja sabendo o que queria comprar, também pensando na questão do mais acessível para gastar", contou.