Cidades

29 casos suspeitos de H1N1 aguardam análise. Neste ano não há confirmação

24/05/2016 08:00


Suzano tem 29 exames de casos suspeitos de gripe H1N1.Nenhuma ocorrência foi confirmada até o momento. A campanha de vacinação contra a Influenza A será realizada até o dia 31 deste mês. Até agora, a Prefeitura alcançou 80% do público alvo. Segundo a Secretaria de Saúde, a pasta atua no sentido de identificar a doença o mais rápido possível e após a confirmação, encaminhar o paciente para os devidos tratamentos. "Tendo em vista que em 2015, Suzano não teve volumosos casos suspeitos e neste ano, assim como em todo o País, a situação foi atípica", pontua. Ainda de acordo com a pasta, a expectativa era vacinar 65.747 pessoas, entre elas, 17.774 crianças com mais de seis meses e menos de cinco anos, 4.374 profissionais da saúde, 3.263 gestantes, 536 puérperas, 23.293 idosos e 16.507 pessoas com comorbidades (diabetes, hipertensão, problemas no coração). Do total, foram vacinadas 62,8 mil pessoas. REGIÃO Em Ferraz de Vasconcelos, a Secretaria de Saúde teve a confirmação de um caso, sendo que 36 ainda estão em análise. "As orientações de prevenção para a população é uma ação contínua e realizada anualmente. Ferraz já atingiu a meta de imunizados determinada pelo Estado (de 31.289 + pessoas com comorbidade). De todos os grupos prioritários, apenas o de crianças e gestantes não atingiu a meta de 80% estipulada. Hoje, receberemos mais doses de vacina para dar continuidade ao atendimento dos grupos prioritários que ainda não receberam a imunização, bem como garantir a segunda dose das crianças que estão contempladas", detalha. Mogi das Cruzes teve 13 casos da gripe confirmados. Na cidade, há 143 notificações suspeitas. Tendo confirmado um óbito, em abril. No último ano, o município teve apenas dois casos de H1N1 confirmados e nenhuma morte pela doença. Mogi aplicou neste ano 99.079 doses de vacina contra a gripe. Ao todo, foram vacinadas 81,37% das crianças, 68,08% das gestantes 71,63% das puérperas, 116,70% dos trabalhadores da saúde e 100,74% dos idosos.