Editorial

O desafio na economia

25/05/2016 08:00


Fazer o País voltar a crescer, gerar mais empregos e retomar o equilíbrio das contas públicas. São estes os desafios do presidente em exercício, Michel Temer (PMDB). O governo da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) tentou. Mas as políticas adotadas não surtiram efeito. O afastamento dela levou Temer a manter o País andando. Ontem, ele anunciou medidas para tentar conter o crescimento dos gastos públicos e retomar o crescimento da economia brasileira. O anúncio acontece um dia depois de Temer entregar ao Congresso pedido de autorização para que o governo registre neste ano um rombo recorde de R$ 170,5 bilhões em suas contas. Não foi anunciado aumento de impostos neste momento, mas existe uma grande expectativa em torno dessa prática. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não descartou que isso seja feito no futuro. A primeira ação proposta ontem pelo presidente em exercício foi a devolução, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), de pelo menos R$ 100 bilhões em recursos repassados pelo Tesouro Nacional nos últimos anos. Temer também anunciou que vai propor o limite para aumento dos gastos públicos, a suspensão de novos subsídios, a extinção do fundo soberano e o apoio ao um projeto que muda as regras para exploração do petróleo no pré-sal. A situação do País reflete diretamente na vida da população. Por parte dos governos municipais, a situação também é de crise. As prefeituras vêm cobrando mais recursos. Realizam anualmente marchas a Brasília em busca de novos recursos financeiros. A manutenção das folhas de pagamento, de novas obras prioritárias são alguns dos desafios que terão de ser alcançados. Espera-se que o governo interino de Michel Temer siga no caminho certo para que o País volte ao seu curso normal. A volta do crescimento será benéfico para todos, com a volta do emprego, e de novos investimentos, principalmente por parte da indústria.