Cidades

Crise reduz preço de aluguel em 15% e congela valor de imóveis arrendados

16/06/2016 08:00


A locação de imóveis é mais um setor tem cenário complicado com a crise econômica que assola o País. Em Suzano, o preço dos aluguéis domésticos teve redução de 15% em relação ao ano passado, enquanto imóveis já arrendados mantém o valor para não perder o inquilino. Para se ter uma ideia, em junho de 2015, o preço médio de casas e apartamentos girava em torno dos R$ 1 mil. Agora, é possível encontrar residências por R$ 850. Os empreendimentos comerciais também amargam redução de quase 30% no valor do arrendamento. No último ano, os proprietários ofereciam a locação de salas comerciais por aproximadamente R$ 10 mil. Segundo o delegado municipal do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-SP), da 2ª Região, Nelson Sais, a tendência natural é reajustar o preço dos imóveis para garantir o interesse do locatário, uma vez que propriedades com valores mais altos ficam vazias por um longo período. "A correção do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) acumula alta de 11,09% nos últimos 12 meses, o aumento nos últimos meses não deve ultrapassar os 0,5% para os imóveis residenciais em locação. Mesmo assim, o que vemos é a redução dos valores ou congelamento. Para o inquilino que já está no imóvel, o proprietário tem mantido o preço e para os novos tem negociado", detalha. Sais explica que a procura está baixa e propriedades mais caras geram prejuízos aos proprietários. "Se o imóvel está três meses sem arrendamento já está dando prejuízo. Assim, o proprietário precisa baixar o valor do aluguel. Isso acontece na região toda. Hoje percebemos grande número de imóveis fechados e esse prejuízo não é recuperado", completa. O preço dos imóveis varia em decorrência de uma série de quesitos, entre eles, localização, proximidade com transporte público e comércios, além de estrutura. Ou seja, estar próximo ao Centro pode reduzir os gastos com transporte público, mas aumentar o valor do imóvel, assim como casas reformadas. Para Sais, o segredo na hora da locação está na negociação. Ele comenta que mesmo as salas comerciais tiveram queda na procura e prédios que possuem salas ao custo de R$ 10 mil, no último ano, reduziram o valor do aluguel em até 30%. "Quem tem um imóvel arrendado deve procurar por um acordo. Esse é o melhor caminho, tanto para o proprietário que não perde o inquilino, quanto para o locatário que garante um preço razoável". VENDAS A crise também reflete no setor das vendas. Neste caso, as negociações também ditam o fechamento de contratos. O delegado frisa que o consumidor deve estar atento. Isso porque o momento é propício para adquirir um imóvel próprio, mas barganhar demais pode levar a perda de oportunidades. "Há muitos imóveis à venda e muitas pessoas com medo de fechar negócio e depois encontrar um mais barato. É preciso pesquisar e não perder as oportunidades do momento".