Cidades

Procon recebe 2.367 reclamações em 2016. Operadoras de telefonia lideram

28/06/2016 08:00


A Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Suzano contabilizou 2.367 reclamações desde o início do ano até o mês de maio. As empresas de telefonia lideram o Ranking de Reclamações do órgão com queixas sobre pacotes de telefone, internet e TV. Além desse segmento, entre os cinco primeiros lugares da lista estão unidades de serviços financeiros. Os números foram divulgados pela Prefeitura de Suzano. De acordo com a administração, os meses de janeiro e março lideram em reclamações, sendo 521 queixas no primeiro mês do ano e 588 em março. O último levantamento, em Maio, 430 atendimentos foram feitos pelo órgão para revolver os problemas da população suzanenses com prestadoras de serviços. Ainda de acordo com a Prefeitura, as áreas que mais receberam reclamações foram as de serviços essenciais, como água, energia elétrica e telefonia, serviços financeiros, como bancos, cartões de crédito e financeiras e produtos, como celulares e televisores. Se comparado as reclamações recebidas no mesmo período de 2014, quando 3.001 queixas foram registradas, as reclamações diminuíram em 21%. De acordo com o Ranking de Reclamações do Procon, disponível em http://sistemas.procon.sp.gov.br/rank_estadual/?m=rank_atend, em primeiro lugar com mais reclamações está uma empresa telefônica popular. As reclamações contra ela são por cobrança indevida ou abusiva, falta de atendimento adequado aos clientes e serviço não fornecido. Em segundo lugar está uma empresa de internet, em terceiro e quarto empresas bancárias e em quinto no ranking mais uma prestadora de serviço de internet popular. De acordo com a vendedora Patrícia Antunes Sato, de 38 anos, o único serviço com que teve problema é o de celular. "Minha conta não chegou e não consegui falar com ele. Eu ligava e não atendiam. Tive que pagar juros na conta. Já cheguei a esperar mais de uma hora no telefone", contou. Nas ruas de Suzano os serviços de telefonia e internet eram os alvos de reclamações. "Já tive dificuldade com a minha operadora de celular e com o serviço de internet. A ligação caia com freqüência. E quando conseguia falar eles não conseguiam resolver meu problema. Só resolveu quando ameacei ir ao Procon, mas nunca fui", explicou a suzanense Dayane de Assis Rosa, de 23 anos. A técnica em enfermagem, Adriana Fátima Soares, de 38 anos, contou já ter passado muito estresse com serviço de internet e que na próxima o Procon será acionado. "Passei seis meses tentando cancelar minha conta e pagando uma coisa de que não usava", comentou.