Editorial

Salvação do Bom Prato

08/07/2016 08:00


O Bom Prato é um programa de segurança alimentar do governo do Estado de São Paulo. Foi criado em dezembro do ano 2000 com objetivo de oferecer à população de baixa renda, refeições saudáveis e de alta qualidade a custo acessível. Atualmente há 51 unidades no Estado, quatro no Alto Tietê, sendo 22 localizadas na Capital, oito na Grande São Paulo, seis no litoral e 15 no interior. A rede de restaurantes Bom Prato serve diariamente mais de 84 mil refeições. O almoço, com 1,2 mil calorias, composto por arroz, feijão, salada, legumes, um tipo de carne, farinha de mandioca, pãozinho, suco e sobremesa (geralmente uma fruta da época) tem custo de R$ 1 para o usuário. Ontem, uma informação trouxe grande preocupação: a possibilidade de fechamento das unidades do Bom Prato na região. O governo do Estado tenta impedir o fechamento de quatro unidades do Bom Prato. Na região, os restaurantes funcionam em Mogi, Ferraz, Suzano e Itaquá. Gestores da entidades que administram as unidades ameaçaram encerrar as atividades em todo o Estado. A manifestação foi feita por meio de uma carta com 20 assinaturas. Eles alegam que estão à beira de um colapso financeiro e que oferecem “alimentação de qualidade inferior ao padrão”, por falta de recurso. O Estado chegou a sugerir que itens mais caros, como o feijão, sejam trocados do cardápio, ou seja, comprar o mesmo produto por um preço mais barato. No documento entregue, os gestores afirmam que o subsídio não é suficiente para realizar o atendimento e dizem que serão “obrigados” a encerrar as atividades “em um curto período de tempo”, caso não haja reajuste. Será importante a manutenção do programa, em Suzano e região para garantir a segurança alimentar de milhares de pessoas que utilizam o programa na região. De acordo com as entidades gestoras, a defasagem acumulada desde 2006 é de 34,15% no custo do almoço e de 17,99% no café da manhã. A recente alta dos alimentos – a exemplo do feijão, com inflação de 106,34% nos últimos 12 meses – teria tornado a situação ainda pior. A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de São Paulo (Seds) garante que o programa Bom Prato não fechará seus restaurantes. Há oito meses, em outubro de 2015, foi aprovado reajuste de subsídio para as entidades parceiras de cerca de 10%, passando de R$ 3,50 para R$ 3,81 para que o frequentador pague R$ 1 pela refeição. É importante que uma solução veja ser tomada o mais breve possível para garantir o manutenção do atendimento.