Cidades

Jogo Pokémon Go vira ‘febre’ em Suzano

05/08/2016 08:01


O aplicativo Pokémon Go foi finalmente lançado no Brasil, na última quarta-feira. Horas depois do lançamento, os suzanenses já estavam à caça dos pokémons nas ruas da cidade. O jogo, que conquista cada vez mais crianças, jovens e adultos, já é sucesso entre os munícipes, que vão ao shopping e outros locais da cidade especialmente para capturar os bichinhos virtuais. Os pokémons estão por toda parte de Suzano, basta baixar o Pokémon Go e sair explorando a cidade para encontrá-los. O jogo, que traz a chamada realidade aumentada, permite que o mundo virtual seja misturado ao real, fazendo com que a pessoa seja capaz de capturá-los com, assim como Ash e seus amigos capturam no famoso desenho japonês dos anos 90. O estudante Marcos Antônio foi ao shopping da cidade, com sua amiga Iris Guimarães, caçar os bichinhos e conta que estava ansioso pelo lançamento no Brasil. "Fiquei louco quando chegou aqui. Eu estava esperando há praticamente um ano, quando começaram a sair as primeiras notícias sobre o jogo. Eu entro em fóruns na internet para me atualizar e saber das novidades sobre o game. Consegui meu aplicativo primeiramente em um site alternativo, depois fui direcionado ao Google Play. Já capturei 17 pokémons, todos em Suzano, aqui no shopping até agora só encontrei um". Iris também joga e foi até Poá só para conseguir mais pokémons. "Desde quando o jogo saiu nos outros países eu tentava baixar aqui. Eu encontrei 22 personagens, fui para Poá só para tentar encontrar mais. Também estive no Parque Max Feffer, aqui em Suzano. Lá tem muita gente jogando. Só lamento por gastar tanta bateria do celular, mas minha internet 3G ainda tem bastante.", diz. Os amigos, assim como outros usuário do aplicativo, compartilham um medo em comum: atrair assaltantes de celulares enquanto jogam. "Quase fui atropelado três vezes porque estava distraído na rua jogando, com o celular na mão. Tenho medo de ser assaltado também. Mas como eu esperei muito pelo Pokémon Go, por enquanto estou sem limites. O limite é quando alguém chegar e roubar meu celular.", brinca Marcos. Thiago Cardoso Lazzarine, de 17 anos, diz que o aplicativo está travando seu celular e comenta sobre os possíveis benefícios que o jogo pode trazer às pessoas, "Eu gostei bastante, mas acho que está travando demais. Deveriam consertar isso. Foi muito aguardado esse lançamento. E é bom que assim as pessoas saem mais de casa. Talvez até trazer mais qualidade de vida. Com a caminhada temos mais saúde. Não acredito que seja prejudicial, é preciso ter controle". Lucas Henrique Sueitt, de 22 anos, diz que é da época em que colecionava as miniaturas de Pokémons que vinham em um refrigerante. "O aplicativo eu baixei sim, mas ainda estou aprendendo. Consegui capturar alguns, sem muito esforço. Mas eu sou dá época que as miniaturas vinham no Guaraná. Acredito que seja uma febre passageira, até chegar algo novo. O jogo não vai muito longe, por conta dos acidentes que estão acontecendo, como roubo e atropelamento". Elisêngela Oliveira e seus filhos adolescentes capturam juntos os bichinhos virtuais, "Eu jogo também, peguei três. Meus filhos estão me ensinando, os jovens são muito mais rápidos para essas tecnologias. Eu os aconselho a tomarem cuidado na rua com celular, tanto pela violência, quando por atropelamento ou tropeços que podem acontecer. Falo sempre para estarem em lugares fechados, como o shopping, acho mais seguro".